Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Barreiro, uma cidade a Sul de Lisboa com "imobiliário muito apetecível"

anabananasplit on Visual hunt / CC BY-NC-SA
anabananasplit on Visual hunt / CC BY-NC-SA
Autor: carla celestino (colaborador do idealista news)

Há uma nova vida a florescer no Barreiro, com a procura de casas para viver nesta localização a aumentar, e a construção nova e a reabilitação a crescer para tentar dar resposta. O presidente da Câmara Municipal do Barreiro (CMB), em declarações ao idealista/news, garante que o “imobiliário nesta cidade é muito apetecível”. Frederico Rosa admite, porém, que este município da Margem Sul do Tejo poderá vir a desenvolver-se de forma mais sustentável caso seja incrementado o Terminal de Contentores, o Novo Aeroporto do Montijo e a ligação Barreiro-Montijo.

Flickr
Flickr

Franceses, nórdicos e brasileiros dominam procura

O Barreiro, de forma resumida, pode dizer-se que é um território pequeno em termos de dimensão, mas com uma alta densidade populacional, fomentada, por um lado, pela ampla frente do rio Coina e rio Tejo com vista sobre Lisboa, e por outro, de uma boa rede de transportes coletivos nomeadamente com a ligação com o barco a Lisboa.

O idealista/news decidiu questionar o presidente do município, para entender os efeitos deste binómio no imobiliário local.

liber on Visual Hunt / CC BY-SA
liber on Visual Hunt / CC BY-SA

Em resposta, Frederico Rosa divide o imobiliário entre o “parque habitacional novo”, onde já estão a ser desenvolvidos projetos de construção nova de raiz, e o “parque habitacional que está a ser requalificado por toda a cidade”. Em particular no que se refere à reabilitação do tecido urbano revela que é o segmento “onde se tem feito sentir o maior número de projetos e de investidores que vêm ter connosco, não só portugueses como de geografias muito dispersas”.

Acrescentando que a origem desta procura “é bastante diversificada", a nível de investidores destaca, porém, "os franceses e geografias acima de França, ou seja Norte da Europa, e alguma procura brasileira”. Recentemente uma comitiva de investidores imobiliários brasileiros visitou esta cidade e o feedback obtido foi que “representa uma boa oportunidade de negócio”.

Wikimedia commons
Wikimedia commons

“Aqui tanto há estrangeiros como portugueses a investir no imobiliário para depois disponibilizar no mercado ou para habitação própria”. Para se ter noção, em 2018, “a nível de taxas de construção já realizámos mais do que 2016 e 2017 juntos, sendo que estes dois meses foram igualmente bons ao nível da construção”.

Torre Fénix vai avançar

Quanto aos projetos de construção nova “localizam-se em zonas que estiveram estagnadas durante muitos anos”, explica o autarca, avançando que “há também muitos edifícios por reabilitar e que agora estão a avançar”.

“Sem querer estar a individualizar, pois os projetos imobiliários são privados, posso dar o exemplo de um edifício na Avenida Alfredo da Silva que é uma torre contemporânea das Amoreiras, em Lisboa, um projeto imobiliário que data de 1983, é a maior torre do Barreiro e que nunca foi acabada”. O Edifício Fénix, como se designa esta torre, já se encontra em fase de obras, vai ser totalmente reconstruída para habitação e deverá estar concluída em 2019.

Carla Celestino
Carla Celestino

Outro projeto equacionado para esta zona é a Quinta do Braancamp. Trata-se do complexo rural da Corticeira Nacional que se localiza na cidade do Barreiro, cuja atividade cessou recentemente, e que é constituído pela  antiga casa solarenga do século XIX, instalações agrícolas, moinho de vento e de maré e terras de cultivo.

Após o processo de insolvência da Sociedade Nacional de Cortiças, a propriedade passou para as mãos do Millennium bcp e foi adquirida, em 2015 (escritura realizada em 2016), pela autarquia do Barreiro. Possui uma área de cerca de 21 hectares, dos quais sete serão para habitação, e uma vasta vista de rio. Dado a sua dimensão, vai ter um mix de habitação (182 fogos), espaços de lazer e verdes, restauração e hotelaria. Com um investimento privado estimado em 100 milhões de euros, a autarquia ainda está a analisar propostas de investidores, mas tudo leva a crer que deverá arrancar em 2019.

Câmara Municipal do Barreiro
Câmara Municipal do Barreiro

Há ainda um outro projeto de Alojamento Local com capacidade até 150 camas e que deverá estar concluído no próximo ano.

Zona industrial poderá fixar empresas

No que diz respeito a empresas, há duas grandes expetativas por parte de quem quer fazer grandes investimentos empresariais nesta zona: a possibilidade de aqui se localizar o Terminal de Contentores do Barreiro, que esteve em consulta pública até ao dia 7 de dezembro de 2018; e o Novo Aeroporto do Montijo.

“Havendo condições para o aeroporto ali se localizar e criando-se a ligação Barreiro-Montijo, que é algo que reivindicamos, creio que a zona industrial, que é enorme e vai ficar a 1Km do aeroporto e junto ao Terminal de Contentores, vai conhecer um crescimento exponencial”, defende o autarca, argumentando que com "este investimento industrial estarão criadas todas as condições para captar e fixar empresas, e com isso criar novas possibilidades de emprego num concelho que tem taxas de desemprego acima da média nacional”.

Caso esta “trilogia” – Terminal de Contentores, Novo Aeroporto e ligação Barreiro-Montijo – seja uma realidade, Frederico Rosa acredita que “vão ser mecanismos de pressão para que se construa a terceira ponte sobre o Tejo”. Defende mesmo que “não tenho dúvidas que vai ser construída, só não sei quando”.

Câmara Municipal do Barreiro
Câmara Municipal do Barreiro