Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Americanos da Värde Partners compram carteira de 10 imóveis em Lisboa

JLL/CBRE
JLL/CBRE
Autor: Redação

Menos de um mês depois de saber-se que comprou a Torre Burgos, um edifício de escritórios de classe A no Porto, a Värde Partners acaba de fechar a aquisição da Imopólis - Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Imobiliário e do FIIF ImoDesenvolvimento composto por 10 imóveis em Lisboa, por valor não revelado. Entre a carteira de ativos adquiridos pela empresa de capital de risco norte-americana destacam-se o Edifício Adamastor, o Parque Suécia e o Parque Holanda.

O Edifício Adamastor localiza-se no Parque das Nações, sendo composto por duas torres. "Este imóvel tem acabamentos de excelente qualidade, bem como uma vista panorâmica dos pisos superiores", segundo indicam a JLL e a CBRE em comunicado conjunto.

Já o Parque Suécia é composto por cinco edifícios de escritórios, que acolhem as sedes de entidades ligadas à saúde, consultoria, tecnologias de informação, entre outros.

Nesta transação está também incluído o Parque Holanda, empreendimento de escritórios e armazéns situado em Carnaxide. "Com excelente luz natural e vista, é um exemplo de edifício que as empresas procuram atualmente", destacam as consultoras responsáveis pelo negócio na mesma nota.

Fernando Ferreira, diretor de Capital Markets da JLL, que esteve do lado do vendedor, afirma que “a qualidade da gestão do portfolio que se traduziu numa melhoria dos indicadores de performance da carteira, contribui largamente para o sucesso desta transação, tendo ficado claro, pelo interesse demonstrado por parte do mercado nesta transação, que o segmento de escritórios vai continuar em destaque em 2019”.

Nuno Nunes, diretor de Capital Markets da CBRE, que representou o comprador, destaca que “esta transação vem reforçar as previsões da CBRE que davam conta que o volume de investimento no mercado imobiliário continua bastante positivo. Os investidores consideram Portugal um país de oportunidades, com uma performance operacional ou potencial de crescimento acima da média, como é o caso desta carteira de ativos.”