Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Grupo Selina investe 2,5 milhões de euros em hotel no Gerês

Chama-se Selina Gerês e terá 37 quartos entre lofts (apartamentos privados), quartos standard, dormitórios e glamping.

Grupo Selina
Grupo Selina
Autor: Redação

Porto, Ericeira, Vila Nova de Milfontes, Lisboa e agora Gerês. O Grupo Selina vai investir 2,5 milhões de euros na compra e remodelação de uma nova propriedade no Gerês. As obras já arrancaram e o novo hotel Selina deve abrir portas dia 15 de dezembro de 2019. 

“O Selina Gerês vai surgir no Lugar de Cubos, Vilar da Veiga e terá 37 quartos entre lofts (apartamentos privados), quartos standard, dormitórios e glamping. Terá restaurante/bar, piscina e espaço de wellness. Até março, o Selina Gerês funcionará em regime de apartamentos e a partir de abril abrirá todas as suas ‘facilities’. O Selina Gerês pretende ser um espaço de relaxamento e tranquilidade com uma forte ligação à natureza que envolve a propriedade”, refere em comunicado a empresa. 

O Grupo Selina, que já investiu 75 milhões de euros em Portugal, planeando abrir mais de 20 hotéis no país – com cerca de 7.500 camas – nos próximos quatro anos, diz estar disponível para parcerias com investidores nacionais na área do imobiliário, com ‘know-how’ no mercado, que queiram fazer parte da expansão da marca em território nacional.

Até ao momento, estão quatro propriedades Selina em funcionamento: Selina Porto, Selina Secret Garden Lisbon, Selina Ericeira e Selina Vila Nova de Milfontes. “Os próximos projetos já adquiridos e com abertura prevista para 2020 são o Selina Palácio Mendia em Lisboa e o Selina Peniche. Para 2020, as cidades de Coimbra e Évora fazem parte da estratégia da marca”, lê-se no documento.

Fundada em 2015, a marca Selina opera atualmente em mais de 40 cidades em 14 países da América Central e do Sul (Argentina, Bolívia, Panamá, Costa Rica, México, Colômbia, Equador, Guatemala, Nicarágua, Peru, Brasil) e da Europa (Portugal, Grécia e Reino Unido). Os planos da empresa passam por entrar em grandes cidades dos EUA, Polónia, Israel, Alemanha e Espanha até 2020, sendo que até 2022 o grupo estima ter mais de 54.000 camas a nível global.