Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Small Caps é a nova linha de negócio da CBRE: vai apoiar proprietários de imóveis de menor dimensão

A consultora quer chegar a um novo target e vai apoiar investimento de pequena e média dimensão - e que tem muita expressão no país.

Photo by Tobias Tullius on Unsplash
Photo by Tobias Tullius on Unsplash
Autor: Redação

A CBRE Portugal decidiu alargar o espectro da sua atividade, criando uma nova linha de negócio estratégica, especialmente dedicada a investimento de menor dimensão: chama-se Small Caps. A consultora pretende, assim, chegar a um novo target e apoiar proprietários de imóveis de menor dimensão, cujo valor de transação poderá oscilar entre cerca de 500.000 euros e os 7 milhões.

Associada maioritariamente a transações de grande dimensão, a consultora “pretende oferecer uma alternativa de investimento a clientes, quer sejam fundos, family offices, ou até mesmo clientes particulares, que pretendam diversificar o seu portfólio de investimento e considerar possíveis imóveis de rendimento”, tal como explica num comunicado enviado às redações.

“Na CBRE Portugal acompanhamos constantemente as necessidades do mercado, procurando dar apoio especializado aos clientes, na prestação de um alto nível de serviço. Com esse propósito em vista, lançámos, no início do ano, a linha de negócio Agribusiness, seguindo-se a expansão do negócio para o Algarve e agora anunciamos, com orgulho, uma nova equipa dedicada a Small Caps. Estamos convictos que a CBRE Portugal vai poder facilitar, nesta área, diversas operações e apoiar um segmento que, dada a sua expressão, merece toda a nossa atenção e dedicação”, comenta Francisco Horta e Costa, diretor geral da CBRE Portugal, citado no mesmo documento.

Para Nuno Nunes, diretor de Capital Markets e responsável pela área de Small Caps na CBRE acrescenta que, num ano marcado por um contexto de decisões em stand by e alguma inegável incerteza, “a CBRE decidiu olhar com maior profundidade e com mais critério que nunca para as necessidades latentes de potenciais clientes, que até à data não se viam apoiados pela empresa”. “Reforçamos assim, com esta nova linha de negócio, a profissionalização na abordagem aos investimentos de pequena e média dimensão”, refere o responsável.