Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Cais do Ginjal vai ganhar nova vida: projeto de 300 milhões prevê casas, comércio e até um hotel

O Plano de Pormenor já foi aprovado pela Câmara Municipal de Almada no início do mês de novembro. Grupo AFA quer converter aquela zona num "ícone da Margem Sul".

Photo by Pierre Archi on Unsplash
Photo by Pierre Archi on Unsplash
Autor: Redação

Depois de muitos anos ao abandono, e já num estado de degradação progressiva, o Cais do Ginjal, localizado em Almada, vai ser requalificado e ganhar uma nova vida. Para toda aquela zona está previsto um megaprojeto imobiliário avaliado em 300 milhões de euros, que contempla a construção de um complexo de habitação com cerca de 300 fogos, várias frações de comércio e serviços, equipamentos sociais, um hotel com 160 quartos, e ainda um parque de estacionamento com 500 lugares, num total de mais de 90.000 metros quadrados (m2) de área bruta de construção. O promotor do projeto é o Grupo AFA.

O Plano de Pormenor para esta zona ribeirinha já foi, de resto, aprovado pela Câmara Municipal de Almada no início do mês de novembro. Segue-se agora um período de consulta pública que, não encontrando obstáculos, será encaminhado para deliberação em assembleia municipal.

O grupo madeirense AFA, responsável pela requalificação de toda aquela zona, pretende transformar aquele território “num ícone da Margem Sul”, segundo se lê num comunicado citado na imprensa nacional. No mesmo documento, o grupo refere que “pretende travar o problema de degradação progressiva” desta zona, e para isso será necessário investir cerca de 300 milhões de euros nos próximos oito anos.

O grupo iniciou, em 1999, a aquisição naquela zona de vários imóveis, parcelas de terrenos e edifícios em ruínas a mais de 20 proprietários diferentes, e só agora conseguiu reunir consensos. Segundo adianta, no mesmo documento, "foram tempos especialmente desafiantes", que obrigaram a negociações "não só com empresas proprietárias, mas sobretudo com proprietários particulares, nomeadamente famílias e respetivos herdeiros".