Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Promotor imobiliário indiano vai investir 150 milhões em Portugal

Alguns projetos serão destinados ao mercado de arrendamento de média/longa duração para a classe média portuguesa.

Projeto residencial  “Alcântara Vista”, em Lisboa / Sugee Group
Projeto residencial “Alcântara Vista”, em Lisboa / Sugee Group
Autor: Redação

O Sugee Group é o primeiro promotor imobiliário indiano a operar no mercado nacional, onde espera investir cerca de 150 milhões de euros nos próximos anos. Com sede em Mumbai, o grupo conta já com dois projetos residenciais no coração de Lisboa em pleno desenvolvimento, e está a estudar outras oportunidades no resto do país. Espera desenvolver cerca de 50. 000 metros quadrados (m2) de promoção nos próximos anos, podendo alguns desses projetos destinar-se ao mercado de arrendamento de média/longa duração para a classe média portuguesa.

O grupo “aterrou” em Portugal em março de 2019 para analisar o mercado e ponderar as suas potencialidades, mas, no final do ano, já estava a arrancar com dois projetos em Lisboa: a reabilitação de um edifício do séc. XIX no Príncipe Real — o “Royal 20”, um empreendimento de nove frações T1 vocacionado para a captação de investidores “Visto Gold” —; e a construção de raiz do “Alcântara Vista”, um projeto residencial familiar já mais talhado para o mercado nacional. O primeiro está em desenvolvimento, e o final da obra previsto para fevereiro de 2021, e o segundo projeto iniciará a construção no início de 2021.

Segundo os responsáveis do grupo Sugee, a entrada no continente europeu através de Portugal foi ponderada. Lisboa foi encarada como “um dos mercados imobiliários mais promissores de toda a Europa, tal como o referem as recentes tendências e projeções de especialistas”, dizem, citados em comunicado. O grupo indiano ponderou estes dados, assim como constatou “a falta de stock de frações residencias, o que está a impulsionar o setor de investimento com yelds residenciais brutos de cerca de 6% no centro da cidade e 8% na sua periferia”.

Foram também sensíveis ao facto de Lisboa “estar a emergir como um novo centro de tecnologia, uma capital da Europa Ocidental cada vez mais conhecida como um dinâmico centro cultural e de negócios; oferecendo para os seus residentes uma elevada qualidade de vida com um clima apelativo e um baixo custo de vida, em comparação com outras grandes cidades”.

“Viemos para ficar”

“Temos dois projetos em franco desenvolvimento e um deles já em comercialização, e estamos a estudar novas oportunidades de investimento em Lisboa e no resto do país”, adiantam. "Viemos para ficar", frisam ainda os responsáveis do Sugee Group.

Apostando no desenvolvimento de projetos de requalificação imobiliária de alto padrão, o Sugee Group pretende expandir a sua atividade a todo o território nacional através da sua subsidiária “The Strokes & Ground”, de acordo com o comunicado enviado às redações. Com sede em Lisboa, a empresa está focada na construção e promoção de imóveis residenciais e comerciais e gestão de activos imobiliários através da venda, compra, arrendamento e aquisição.

Até à data, a empresa já investiu mais de 6,5 milhões de euros nos dois projetos em pleno centro de Lisboa, para os quais afirma possuir uma procura significativa em todos os continentes. O grupo diz-se ainda determinado em desenvolver esses e outros empreendimentos no próximo ano, totalizando mais de 150 milhões de euros de investimento.

50.000 m2 de promoção nos próximos anos

“Identificámos várias cidades estratégicas com potencial para bons retornos sobre o investimento imobiliário e esperamos desenvolver cerca de 50. 000 metros quadrados (m2) de promoção nos próximos anos, podendo alguns desses projetos destinar-se ao mercado de arrendamento de média/longa duração para a classe média portuguesa”, garantem os responsáveis.

O Sugee Group é um dos grandes promotores imobiliários de Mombai a maior cidade da Índia e o principal centro económico do país asiático. Ao longo de mais de 30 anos de atividade, promoveu e construiu 16 projetos residenciais num total de mais de 280 mil m2 de área construída.