Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Sonae MC tem novos planos de investimento e admite IPO de retalho

A Sonae vendeu 24,99% da dona do Continente por 528 milhões de euros a um fundo de “private equity". E está à procura de novas oportunidades de investimento.

Sonae MC tem novos planos de investimento e admite IPO de retalho
A Sonae MC detém insígnias como o Continente, Continente Bom Dia entre outros / Pacopac/CC-BY-SA-4.0/ Wikimedia Commons
Autor: Redação

A Sonae vendeu 24,99% da Sonae MC - subsidiária que gere as insígnias de retalho da Sonae, como o Continente, entre outras marcas - por 528 milhões à gigante mundial CVC, um fundo de ‘private equity’. De acordo com João Dolores, administrador financeiro (CFO) da empresa, o encaixe da operação, que vinha a ser preparada nos últimos dois meses, será usado para novos investimentos. Hipótese de IPO também volta a estar em cima da mesa.

"O investimento na Sonae MC será realizado através do fundo “Strategic Opportunities”, o qual tem um horizonte de investimento de longo prazo, sendo que o investidor irá trazer a sua vasta experiência no setor do retalho, bem como o seu longo historial de apoio a iniciativas de crescimento orgânico e inorgânico, apoiando a Sonae MC na execução da sua estratégia", lê-se no comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“Através da entrada de um investidor estratégico como a CVC, atingimos muitos dos objetivos que tínhamos quando explorámos o IPO mas com condições mais atrativas para a Sonae, nomeadamente uma avaliação substancialmente superior e a possibilidade de contar com um acionista de referência que contribuirá com o seu know-how e experiência para o sucesso da empresa”, explicou o responsável em declarações ao ECO.

Recorde-se que a 4 de outubro de 2018, a Sonae SGPS avançou com um IPO de até 25% do capital, que avaliava a empresa entre 1,4 e 1,6 mil milhões, mas anunciou a desistência poucos dias depois, face a “condições adversas dos mercados internacionais”, tal como refere a publicação. Apesar disso, João Dolores não descarta a venda de novas parcelas do capital e admite que a “hipótese IPO poderá vir ainda a ser explorada no futuro”.

De acordo com o CFO da Sonae, esta operação “melhora a posição financeira do grupo” e permite a análise de novas oportunidades de investimento. “É cedo para dizer exatamente onde iremos investir no futuro. O que podemos assegurar é que seremos, como sempre, muito rigorosos e disciplinados na identificação e análise de oportunidades e que não temos pressa. A Sonae tudo fará para se manter fiel ao historial de sucesso de criação de valor para os seus acionistas e restantes stakeholders“, comenta.