Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Requalificação do Pavilhão de Portugal vai custar 9,3 milhões de euros

Creative commons
Creative commons
Autor: Redação

O Pavilhão de Portugal, que acolheu a representação portuguesa na Expo'98 e pertence à Universidade de Lisboa (UL), vai ser reabilitado para receber um centro de congressos, um de exposições e outro de recepção de visitantes internacionais. As obras vão custar 9,3 milhões de euros.

As obras foram outorgadas através de uma resolução de Conselho de Ministros publicada esta terça-feira (22 de maio) em Diário da República, que autoriza a UL a realizar a despesa necessária à celebração da obra. A reabilitação e requalificação do Pavilhão de Portugal vai decorrer entre 2019 e 2021, num investimento máximo de 9,3 milhões de euros, acrescidos de IVA.

O Pavilhão de Portugal irá acolher um Centro de Congressos “dotado de um auditório polivalente com capacidade de 650 lugares, permitindo a sua subdivisão em dois auditórios autónomos, de um conjunto mínimo de nove salas, de espaços amplos de circulação que permitam a interligação, de uma receção e de salas de apoio”.

Será ainda disponibilizado “um Centro de Exposições, de carácter modular, onde possam ser organizadas simultaneamente diferentes exposições, destinado, nomeadamente, à divulgação e promoção do conhecimento e ao usufruto público do vasto espólio científico, cultural e artístico da UL”, lê-se no documento.

O Pavilhão de Portugal acolherá ainda um Centro de Recepção de Visitantes Internacionais, adequado à internacionalização da UL, que irá permitir o funcionamento dos serviços de acolhimento a estudantes, docentes e investigadores associados à atividade académica da Universidade.

De referir que a reabilitação e requalificação do Pavilhão de Portugal manterá a traça do edifício e aumentará a ligação complementar entre o Edifício Principal e a Pala Cerimonial. 

O Pavilhão de Portugal foi desenhado pelo premiado arquiteto Álvaro Siza, tendo sido classificado como Monumento de Interesse Público. Constitui um marco da arquitetura e da cultura portuguesas, fazendo parte, desde 1 de agosto de 2015, do património da UL.