Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Livraria Lello vai ter um novo espaço dedicado à cultura assinado por Siza Vieira

O novo projeto do arquiteto português vai ser "um edifício com alma própria", dedicado à cultura e com "diferentes valências".

Nan Palmero CC-BY-2.0
Nan Palmero CC-BY-2.0
Autor: Lusa

O arquiteto português e prémio Pritzker Álvaro Siza Vieira vai criar o projeto para um edifício dedicado à cultura adjacente à Livraria Lello, no Porto, monumento de interesse público que remonta a 1906. O novo projeto vai ser "um edifício com alma própria", dedicado à cultura e com "diferentes valências, contribuindo para aumentar a oferta cultural e turística da cidade".

“Álvaro Siza Vieira, um dos maiores arquitetos portugueses de todos os tempos e um dos mais premiados internacionalmente, vencedor do Prémio Pritzker, aceitou o convite para assinar o projeto de requalificação do número 148 da Rua das Carmelitas, trazendo até à Livraria Lello o trabalho já em curso com a família Pedro Pinto noutros ícones do património da cidade e da região”, anunciou esta quarta-feira, 13 de janeiro, a Livraria Lello.

No âmbito do 115.º aniversário do edifício onde está hoje a Livraria Lello e cuja inauguração remonta a 13 de Janeiro de 1906, a presidente do Conselho de Administração, Aurora Pedro Pinto, afirma que o projeto de requalificação do número 148 da Rua das Carmelitas no Porto, e contíguo ao edifício da Livraria Lello, é “a realização” de um sonho que significa um “investimento não só na Livraria Lello, mas também na cidade”.

O novo projeto de Álvaro Siza vai ser “um edifício com alma própria”, “dedicado à cultura” e com “diferentes valências, contribuindo para aumentar a oferta cultural e turística da cidade”, explica fonte oficial da Livraria Lello, recordando que em 2008, a Lello foi considerada no jornal The Guardian como uma das mais belas do mundo, e que em 2011, a editora de guias de viagens Lonely Planet refere que aquele espaço dedicado aos livros estava entre as melhores livrarias do mundo e que era “uma pérola de arte nova”.

“Com a criação de um novo espaço dedicado à cultura, a Livraria Lello pretende oferecer uma experiência mais qualificada a leitores e visitantes, aumentar a oferta cultural, partindo do livro, tendo alma e um programa próprios, e que, paralelamente, por passar a estar ligado à Livraria Lello, facilite a circulação de pessoas no interior do número 144 da Rua das Carmelitas”.

Antero Braga, antigo proprietário da Lello e que vendeu os seus 25% em 1995, recordou que a livraria se chamou Sociedade Prólogo Livreiros SA entre 1994 e 2015 e que, por essa razão, a Livraria Lello tem apenas 104 anos com aquele nome sendo apenas o edifício a celebrar o 115.º aniversário. “Foi essa Sociedade [Prólogo Livreiros SA], que tirou a livraria do charco”, recorda o ex-proprietário Antero Braga, referindo que a livraria estava integrada no grupo Lello, mas que durante 21 anos se chamou Sociedade Prólogo Livreiros.

Livraria Campos Trindade em Lisboa vai fechar (e reabrir outro local)

A Livraria Campos Trindade, na Rua do Alecrim, em Lisboa, vai fechar portas este mês. O “sonho” começou há 44 anos, com Tarcísio Trindade, o seu fundador, e esteve até agora nas mãos do seu filho, Bernardo Trindade, que não vê outra opção senão encerrar o espaço devido à renda “incomportável”, segundo explicou ao jornal Público.

Mas o objetivo é reabrir a livraria noutro local, daqui a uns meses. “Sempre tivemos muita gente”, diz Bernardo Trindade, mas confessa que, depois de um ano difícil, seria complicado continuar a suportar os custos com aquele espaço. “Deixou de fazer sentido estar a pagar essa renda altíssima”, adianta. Conta, por exemplo, que com a pandemia, alguns dos clientes mais velhos resguardaram-se mais em casa e deixaram de ir à loja.

“Eu só sei fazer isto. Vou continuar”, garante Bernardo Trindade, que espera reabrir o espaço em breve.