Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Grupo canadiano investe 56 milhões em novo hotel no Porto em parceria com investidores internacionais

Nova unidade hoteleira na Lapa vai criar 140 postos de trabalho diretos na cidade Invicta. Construção deverá terminar dentro de 18 meses.

Grupo Mercan
Grupo Mercan
Autor: Redação

É no bairro histórico da Lapa, no Porto, que está para nascer um novo hotel. Este é um investimento levado a cabo pelo Grupo Mercan em parceira com o Grupo Referência Arrojada (RA Group) que, juntos, vão desembolsar cerca de 56 milhões de euros só neste projeto. Para o vice-presidente do grupo canadiano, Jordi Vilanova, este é “um exemplo da boa aplicação do investimento estrangeiro via Vistos Gold”,  já que conta com 160 investidores internacionais.

Na cerimónia de lançamento da "primeira pedra" deste projeto – que decorreu na tarde da passada quarta-feira ( dia 19 de maio de 2019) - , o vice-presidente da Câmara do Porto, Filipe Araújo, destacou a “importância deste investimento 'per si', um investimento imobiliário, dinamizador da economia e feito na nossa cidade”. E acrescentou ainda que a “a dinâmica do setor privado é fundamental para que possamos proceder a uma retoma económica que seja positiva para a cidade e para os portuenses, alavancando a economia”, lê-se na notícia publicada pela própria autarquia.

É junto à igreja da Lapa da cidade Invicta que vai ser construído o desginado Renaissance Park Hotel – Porto, que se insere no universo da Marriott International e que vai possuir uma área construída que ascende aos 14.000 metros quadrados (m2). Este novo hotel vai disponibilizar 163 quartos, uma piscina panorâmica exterior no último andar com bar e esplanada, um restaurante com capacidade para 250 pessoas e um centro de congressos com capacidade até 600 utilizadores. No comunicado enviado às redações, o grupo dá nota ainda que esta unidade vai criar ainda 140 postos de trabalho diretos na cidade.

Este é um projeto arquitetónico assinado pela Visioarq Arquitectos, que irá “destacar-se pelas formas simples e elegantes desenvolvidas com engenharia de topo da JFA Engenharia, ajustadas ao contexto urbano e à paisagem da cidade”, lê-se na mesma publicação do grupo canadiano, que refere ainda que os interiores estão a cargo do estúdio Broadway Maylan. Os critérios de sustentabilidade também serão tidos em conta já que o futuro Renaissance Park Hotel - Porto terá certificação Leed Gold, que representa “excelente desempenho energético e ambiental" do projeto, revelam ainda.

Grupo Mercan cede 17.700 m2 à cidade

É num terreno com quase 23.000 m2 que este novo hotel vai ser construído. Os trabalhos no local, que estão a cargo da construtuora Cobelba S.A., já deram início nos “primeiros dias de 2021” e vão desenvolver-se longo dos próximos 18 meses.

A Câmara Municipal do Porto já avançou que o grupo vai ceder cerca de 17.700 m2 à cidade. O vice-presidente do grupo canadiense especifica ainda que da área cedida cerca de “14.600 m2 estão destinados à edificação do Parque Urbano da Lapa que poderá ser usufruído pelos moradores e visitantes do Porto”.  Na restante área vão ser construídas novas infraestrutuas como a “reformulação do acesso à estação de metro da Lapa e a colmatação da rede viária existente com a criação de novos arruamentos”, explica a autarquia na mesma publicação.

Para o vice-presidente da Câmara do Porto, Filipe Araújo, este é um “contributo inestimável para a resiliência da cidade e para a sua adaptação às alterações climáticas, aumentando a sua área verde, incrementando os seus espaços azuis à superfície, ficando tratadas e recuperadas, o que presta diversos serviços ecossistémicos de elevada importância e contribui, também, para o aumento da biodiversidade no espaço urbano”, cita a mesma publicação da autarquia.

Sobre este e outros investimentos, Jordi Vilanova diz acreditar “no potencial do turismo em Portugal e estamos convictos de que o país tem todas as condições que justificam a aposta neste setor tão afetado pela pandemia. Razões que nos levam não só a manter, como a reforçar o nosso posicionamento em Portugal, mesmo face à atual conjuntura económica e quase em contraciclo. Os projetos hoteleiros que queremos desenvolver em vários pontos do país têm um peso relevante na criação de emprego, tanto nas fases de desenvolvimento e construção, como na futura gestão hoteleira, que será de longo prazo”, conclui.

Foi em 2015 que o Grupo Mercan começou a operar em Portugal, junto do RA Group, e hoje já conta com um total de 12 projetos no país. Para além do Porto, o grupo canadiano tem projetos em Vila Nova de Gaia, Matosinhos, Amarante e Évora.