Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Obras na Ponte do Guadiana que liga o Algarve a Espanha concluídas

A empreitada da ponte rodoviária, iniciada em meados de 2017, custou mais de nove milhões de euros.

Obras na Ponte do Guadiana que liga o Algarve a Espanha concluídas
Roger W. Haworth/CC-BY-SA-4.0
Autor: Lusa

A empreitada da ponte rodoviária que liga Castro Marim, no Algarve, a Ayamonte, na região espanhola da Andaluzia, iniciada em meados de 2017, custou mais de nove milhões de euros, valor que foi repartido e suportado em partes iguais pelos dois países, segundo a Infraestruturas de Portugal (IP).

"Por se tratar de uma Ponte Internacional, foi estabelecido um convénio entre Portugal e Espanha, que definiu as condições para financiamento, contratação, conservação e acompanhamento, pelo que o valor foi repartido, em partes iguais, pelos dois países", lê-se no comunicado da IP. De acordo com a IP, a concretização da obra "veio assegurar melhores condições de circulação aos milhares de automobilistas que diariamente cruzam a fronteira" entre os dois países, na região do Algarve.

A reabilitação da infraestrutura, cuja conclusão chegou a estar anunciada para 2018, incluiu a substituição integral dos tirantes, um sistema composto por 128 cordões constituídos por sete fios de aço galvanizado entrelaçados, que liga as torres - com cerca de 100 metros de altura - e o tabuleiro rodoviário.

Obras arrancaram em 2017

Além dos tirantes que ajudam a suportar a ponte sobre o rio Guadiana, a intervenção incluiu trabalhos de pavimentação do tabuleiro, arranjos dos passeios e guardas de segurança, reparação dos elementos de betão armado, entre outros. As obras, anunciadas em junho de 2017 pela IP e por Pedro Marques, então ministro do Planeamento e Infraestruturas, tinham inicialmente um prazo de conclusão previsto de 525 dias.

Meses mais tarde, a IP, confrontada com a incapacidade da empresa adjudicatária da intervenção, a Soares da Costa, SA, de cumprir o prazo delineado para a intervenção, procedendo a uma nova revisão contratual, realizada a 21 de dezembro de 2017. Esta alteração originou uma alteração no prazo inicial que previa a conclusão dos trabalhos nos ditos 525 dias. 

A exequibilidade dos prazos previstos para a obra ficou ainda mais comprometida quando, "já na fase de desenvolvimento dos trabalhos, se verificou a existência de uma maior amplitude e diversidade de elementos a intervencionar, tendo-se concluído pela necessidade de se proceder à substituição integral do sistema de tirantes existente na ponte".

Segundo a IP, "esta situação só foi possível de detetar em fase de execução, após a desmontagem de elementos do sistema instalado, incluindo a realização de endoscopias ao interior dos tubos e a medição dos respetivos desvios angulares dos tirantes". Devido a esta descoberta, um novo concurso, complementar, teve que ser lançado com vista, unicamente, à reabilitação dos tirantes, o que obrigou a uma reprogramação dos trabalhos da empreitada, envolvendo duas intervenções em simultâneo, com novos planos.