Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Empresas de imobiliário e construção com a melhor performance económica do país

Photo by Razvan Chisu on Unsplash
Photo by Razvan Chisu on Unsplash
Autor: Redação

Começa a haver sinais de algum abrandamento no setor imobiliário em Portugal - justificados sobretudo pela falta de oferta face à alta procura - mas 2018 foi sem dúvida um ano em grande. Os setores da construção e atividades imobiliárias foram os que melhor perfomance económica e financeira registaram a nível nacional, nas principais variáveis que medem os resultados das empresas, segundo uma análise do INE - Instituto Nacional de Estatística, divulgada a 20 de setembro de 2019 - excluíndo o setor financeiro. 

De uma forma global, os principais indicadores económicos do setor empresarial não financeiro mantiveram evoluções positivas em 2018, ainda que com subidas inferiores aos registados no ano anterior. O volume de negócios, o VAB e o EBE crescerem 6,4%, 5,6% e 2,8% em termos nominais, respetivamente (9,1%, 8,5% e 9,4% em 2017, pela mesma ordem).

Números vistos à lupa 

E, segundo o INE, "entre os setores de atividade, a construção e atividades imobiliárias registaram os crescimentos mais expressivos nas principais variáveis económicas, nomeadamente no volume de negócios, VAB e EBE (+11,7%, +12,0% e +18,9%, respetivamente). A taxa de investimento neste setor registou o maior aumento, atingindo 34,4% em 2018 (+9,8 p.p. face a 2017)".

Devido a estes resultados, o organismo oficial de estatística decidiu mesmo isolar a construção e atividades imobiliárias numa análise por separado, contemplando o período entre 2008 e 2018, dentro dos chamados dados provisórios das Estatísticas das Empresas em Portugal para 2018, obtidos a partir do Sistema de Contas Integradas das Empresas (SCIE).

Setor em alta mas menos do que há uma década 

Em 2018, o setor da construção e atividades imobiliárias representava 18,9% das sociedades não financeiras em Portugal (77,5 mil sociedades), 10,8% do pessoal ao serviço, 7,5% do volume de negócios e 9,6% do VAB. Por comparação com 2008, o peso do setor diminuiu no número de empresas (-1,5 p.p.), no pessoal ao serviço (-5,2 p.p.), no volume de negócios (-4,4 p.p.) e no VAB (-5,4 p.p.). 

Em 2018, de acordo com o destaque do INE, a estrutura das empresas por dimensão neste setor era semelhante à do total das sociedades não financeiras, com cerca de 99,9% de PME. Em termos de número de pessoas ao serviço e volume de negócios, as PME detinham um peso maior na Construção e atividades imobiliárias, com 89,5% e 84,1%, respetivamente (+17,9 p.p. e +26,6 p.p. face ao peso das PME no total das sociedades não financeiras).