Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Imobiliário de luxo no Uruguai abre a porta a empresa portuguesa

Produtora de autoclismos vai fornecer o empreendimento 'The Colette', que será feito com materiais de construção de referência ao nível da arquitetura sustentável.

The Colette
The Colette
Autor: Redação

A empresa portuguesa OLI, que se apresenta como a maior produtora de autoclismos da Europa do Sul, foi selecionada para o projeto imobiliário de luxo 'The Colette' - localizado em Manantiales, uma das praias mais bonitas de Punta de Este, no Uruguai. Idealizado pelo criativo argentino Fernando Álvarez Castillo e projetado pelo gabinete de arquitetura Estudio Ramos (Buenos Aires e Nova Iorque), este empreendimento selecionou materiais de construção de referência ao nível da arquitetura sustentável.

Nos exteriores do empreendimento, destacam-se o betão, a madeira e a pedra local, e nos interiores as melhores marcas internacionais - autoclismos portugueses, torneiras alemãs e móveis de cozinha italianos.

The Colette
The Colette

"As casas de banho dos 46 apartamentos, assim como as de apoio à piscina interior, academia e spa, foram equipadas com autoclismos interiores OLI 120 PLUS e OLI 74 PLUS, que se destacam pela elevada eficiência hídrica, as placas de comando Slim Inox e Slim Branco, com design minimalista, e estruturas de suporte de bidé", informa a Oli em comunicado, dando nota de que o empreendimento 'The Colette' "junta-se a outros projetos de referência que a OLI tem conquistado na América do Sul, aplicando as suas soluções hidricamente sustentáveis e ambientalmente responsáveis".

A OLI exporta, atualmente, perto de 80% da produção para 80 países dos cinco continentes. Em 2019, segundo diz no mesmo comunicado, registou um volume de negócios de 59,3 milhões de euros. A empresa integra 431 colaboradores em Portugal e a sua "fábrica trabalha ininterruptamente 24 horas por dia, sete dias por semana", somando uma produção anual de 2 milhões de autoclismos e 2,8 milhões mecanismos. "É a única empresa portuguesa a produzir autoclismos interiores e tem 34 patentes ativas", remata.