Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Donos da Quinta da Pacheca compram propriedade na Bairrada

Situada em Anadia, a Quinta do Ortigão possui 15 hectares de vinhas com castas típicas da Bairrada.

Quinta do Ortigão é comprada
Imagem de alohamalakhov por Pixabay
Autor: Redação

Desde que entraram no mundo dos vinhos em 2012 com a compra da Quinta da Pacheca (Lamego), o grupo Terras & Terroir não parou de investir em Portugal. E agora fechou mais uma operação: a compra da Quinta do Ortigão, em Anadia distrito de Aveiro, por um valor não revelado.

Trata-se de uma propriedade centenária com 15 hectares de vinhas, sendo as suas castas típicas da Bairrada. Entre estas está a Maria Gomes, Arinto e Bical, nos brancos. Nos tintos, domina a típica Baga, complementada pelas castas Touriga Nacional, Tinta Roriz e Cabernet Sauvignon, explicam em comunicado enviado à imprensa.

Com a entrada do grupo Terras & Terroir no capital da empresa, “a Quinta do Ortigão ganha dimensão e visibilidade, mantendo a sua identidade, cimentada ao longo de quatro gerações a produzir vinhos e espumantes de reconhecida qualidade", disse Pedro Alegre, gestor e sócio minoritário da quinta. A equipa de gestão vai manter-se de forma a garantir que uma “transição tranquila”.

Quinta do Ortigão é comprada
Imagem de Svetlanatravel por Pixabay

Investir no mundo dos vinhos

Foi em 2012 o grupo Terras & Terroir entrou no negócio dos vinhos em Portugal. Nesse ano Maria do Céu Gonçalves e o sócio e ex-marido Paulo Pereira avançaram com a compra da Quinta da Pacheca pagando cerca de sete milhões de euros à família Serpa Pimentel. Com este negócio evitou-se que a propriedade fosse parar às mãos da banca.

E, desde então, não pararam de investir neste setor. Em 2017, o grupo comprou a Quinta de São José do Barrilário (Armamar) e em 2020 a propriedade Caminhos Cruzados (Nelas). Com estas aquisições, o negócio da Terras & Terroir estendeu-se do rio Douro ao Dão.

Quanto ao futuro do grupo, e em particular sobre um eventual alargamento a outras regiões do país, Paulo Pereira e Maria do Céu e Álvaro Lopes confirmam continuar atentos ao mercado, “mas sempre focados naquilo que já compõe o grupo e que gera grande paixão e entusiasmo”.