Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Há 10 edifícios de escritórios do Novo Banco em Lisboa à procura de inquilino

Edifício Beloura 1 / Worx
Edifício Beloura 1 / Worx
Autor: Redação

A GNBGA FII – Sociedade gestora de Fundos de Investimento Imobiliário do Grupo Novo Banco está à procura de inquilinos para 10 imóveis que detém na zona da Grande Lisboa, com áreas que chegam aos 9.750 metros quadrados (m2).

Segundo a consultora imobiliária Worx, que está a comercializar os imóveis em regime de co-exclusividade com a JLL, o portefólio é composto pelos seguintes ativos: Beloura 1, Beloura 13, Edifício Monsanto, Edifício Oriente, Parque Oriente, Taguspace – Da Vinci, Taguspace – Einstein e edifício Orange/Berry/Green.

“A GNBGA FII atribui este mandato com o objetivo de aumentar a ocupação e performance dos imóveis e dos fundos que os detêm”, refere a Worx em comunicado, adiantando que os imóveis têm entre 100 m2 e 9.750 m2. “A maioria destes imóveis está localizada no Corredor Oeste (zona 6), que é o eixo mais ativo para a instalação de empresas no mercado de Lisboa. A única exceção são o Parque Oriente (em Sacavém) e o Edifício Oriente, este último situado no Parque das Nações (zona 5), um dos destinos preferidos para as grandes multinacionais na capital portuguesa e, consequentemente, um dos mais requisitados”, lê-se no documento.

Para a consultora, este portefólio de ativos será uma das grandes referências do mercado em 2019, tendo em conta a atual escassez de oferta existente em Lisboa.

“Acreditamos no potencial deste conjunto de edifícios e consideramos que, acompanhando o dinamismo do mercado, conseguimos satisfazer as necessidades de qualquer empresa, dentro deste portefólio”, disse Pedro Salema Garção, head of agency da Worx, salientando que “o Grupo está disponível a investir nos imóveis, o que é uma clara mais valia”.

Mariana Rosa, diretora de office agency da JLL, frisou que “a versatilidade do layout e a grande dimensão das áreas médias por piso são duas das características mais marcantes dos edifícios que integram este mandato”. “Estamos certos de que esta carteira irá atrair bastante interesse do lado da ocupação”, concluiu.