Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Escritórios ao rubro no Porto: ocupados mais de 15.000 m2 no primeiro trimestre

Em causa estão dados da consultora Predibisa, que diz que empresas mantêm interesse na Invicta, apesar do Covid-19.

Gtres
Gtres
Autor: Redação

O segmento de escritórios tem estado ao rubro na região do Porto, tendo registado uma ocupação total de 15.297 metros quadrados (m2) no primeiro trimestre de 2020, um valor três vezes superior ao verificado no período homólogo. Apesar da incerteza existente atualmente, na sequência da pandemia do novo coronavírus, há sinais de otimismo e o interesse das multinacionais na Invicta mantém-se.

“O ano de 2020 iniciou com o mercado de escritórios a registar um momento de forte dinamismo na cidade do Porto, com um crescendo de procura por parte de empresas multinacionais, que encontram na cidade recursos humanos com o know-how adequado, custos de trabalho competitivos, aliados a uma boa qualidade de vida e ainda valores atrativos para investimento na região”, refere a consultora imobiliária Predibisa, apoiando-se em dados do (seu) relatório OnOffice, que analisa o mercado de escritórios do Grande Porto.

Segundo a empresa, foram desenvolvidas entre janeiro e março cerca de 13 operações, à semelhança do que aconteceu no mesmo período do ano passado. “Contudo, a superfície média contratada por transação (levando em consideração o acumulado do trimestre) disparou, passando de 347 m2 (2019) para 1.117 m2 (2020). Esta variação, decorre da realização de três operações com áreas contratadas acima dos 3.000 m2, duas delas mediadas pela Predibisa”, adianta a consultora.

De referir que a procura concentrou-se sobretudo em empresas ligadas ao setor das TMT’s & Utilities, sendo estas as mais ativas do primeiro trimestre de 2020, com um total de quatro transações (31%). Segue-se a procura dos Serviços Empresas (23%). Já em termos de área de escritório foi o setor Serviços Empresas o responsável pela maior percentagem de ocupação (40%), seguindo-se os setores TMT’s & Utilities (30%) e Outros Seviços (23%).

Multinacionais ativas, mas a ritmo mais lento

Para Graça Ribeiro da Cunha, responsável da Predibisa para a área de Escritórios, “tendo como referência os dois últimos anos, onde se registou níveis de colocação de escritórios extraordinários para o Porto, o primeiro trimestre de 2020 revelou-se com a semelhante
continuidade tendo em conta tudo o que o Porto tem de bom para oferecer às empresas”. 

Agora deparamo-nos com uma incerteza para os restantes meses do ano que só o tempo nos dirá, embora já com a certeza que as multinacionais continuam com os seus projetos de expansão anteriormente decididos e a avançar com os mesmos, embora a um ritmo mais lento e cauteloso”, conclui.