Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Excelente, ampla e tranquila: os adjetivos mais usados para vender uma casa em Portugal

Autor: Redação

A venda de uma casa exige, além de um esforço para conhecer o mercado e um book fotográfico, uma boa descrição que pormenorize da melhor forma possível todas as características do imóvel. Um estudo realizado pelo idealista, que analisou os adjetivos mais usados nas descrições dos anúncios, revela que “excelente”, “ampla” e “tranquila” são as qualidades que mais destacam os proprietários e os profissionais imobiliários na hora de promover uma casa.

A lista dos 10 adjetivos mais utilizados completa-se com “moderna”, “espaçosa”, “magnífica”, “luminosa”, “única”, “fantástica” e “de luxo”.

Os diferentes adjetivos qualificativos marcam também os preços da habitação. Assim sendo, as “excelentes” têm um preço médio de 304.895 euros enquanto os anúncios que incluem a palavra “ampla” situam-se nos 293.862 euros. As “tranquilas” têm um preço médio de 375.779 euros, as “modernas” 592.759 euros, as “espaçosas” 437.946 euros e as luminosas 443.131 euros. As “únicas” são mais caras (624.895 euros) do que as “magníficas” (514.177 euros) e mais baratas que as de “luxo” (721.676 euros).

Em função do intervalo de preço em que se encontra à venda o imóvel, os adjetivos preferidos dos vendedores também variam. Nas casas mais exclusivas (com um preço superior a um milhão de euros), “privada” é o adjetivo mais utilizado, seguido por “excelente”, “ampla”, “moderna” e “única”. Nos intervalos de preços mais económicos (com um valor inferior aos 150.000 euros) os principais adjetivos são similares aos gerais, surgindo dois novos conceitos: “renovada” e “remodelada”.