Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Vítimas de violência doméstica e de género com direito a casas da Câmara de Lisboa

Autarquia da capital assina hoje protocolos com cinco instituições, que vão gerir esta bolsa de habitação.

Photo by Imani Clovis on Unsplash
Photo by Imani Clovis on Unsplash
Autor: Redação

A autarquia de Lisboa vai assinar um protocolo para o alargamento da bolsa de habitação que disponibiliza para pessoas em situação de violência doméstica à violência de género. Este apoio foi criado em 2012, em prol da prevenção e combate à violência doméstica, bem como a proteção das vítimas. Sendo destinado inicialmente a mulheres, este conjunto de casas foi recentemente aumentado e passou também a incluir outras situações de violência e discriminação de género.

A renovação e celebração de protocolos acontece esta sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020, nos Paços do Concelho. Na sessão serão renovados os protocolos de colaboração a celebrar com a APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, a AMCV – Associação de Mulheres Contra a Violência, e a UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta, alargados agora à Casa Qui – Associação de Solidariedade Social e a Associação ILGA Portugal - Intervenção Lésbica, Gay, Bissexual e Transgénero.

As cinco associações vão gerir a bolsa de casas disponibilizadas pelo município para acolher temporariamente as pessoas que estão em processo de autonomização, fazendo assim o acompanhamento das diversas situações.