Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Pedir crédito vai ser mais fácil para as famílias devido ao Covid-19 - BdP suaviza regras

O regulador decidiu aliviar as regras de concessão para os novos créditos pessoais, por causa da crise provocada pela pandemia.

Photo by Sandy Millar on Unsplash
Photo by Sandy Millar on Unsplash
Autor: Redação

O Banco de Portugal (BdP) decidiu aliviar algumas regras de concessão de crédito pessoal às famílias, dado ao contexto atual e à crise provocada pelo novo coronavírus. O regulador vai permitir que os clientes em dificuldades fiquem dispensados do pagamento regular das prestações nos créditos que forem agora contraídos.

Em comunicado, o BdP refere que "a pandemia Covid-19 alterou de forma abrupta e significativa as condições económicas e financeiras a nível nacional e internacional”, pelo que, e neste contexto, para a prossecução do objetivo de estabilidade financeira, e enquanto Autoridade Macroprudencial nacional, “avaliou se a recomendação macroprudencial em vigor permanece adequada".

Assim, e no desenho da recomendação macroprudencial no âmbito dos novos créditos a consumidores “foram considerados elementos de flexibilidade que podem agora ser utilizados num cenário de stress". O regulador decidiu que "os créditos pessoais com maturidades até dois anos e que sejam devidamente identificados como destinados a mitigar situações de insuficiência temporária de liquidez por parte das famílias deixem de ter de cumprir um limite ao rácio de DSTI [taxa de esforço]", ficando também dispensados de observar a recomendação de pagamento regular de capital e juros.

O BdP esclarece que esta medida "não constitui impedimento à aplicação de uma moratória para fazer face a insuficiências temporárias de liquidez das famílias, no contexto das medidas para combater os impactos do Covid-19". O mesmo se aplica "às moratórias que os bancos têm vindo a conceder de forma voluntária".

Avisa, ainda assim, que será mantida a alteração da recomendação publicada a 31 de janeiro de 2020, que entra em vigor a 1 de abril de 2020, e que prevê a redução da maturidade máxima do crédito pessoal para sete anos, exceto para as finalidades de educação, saúde e energias renováveis, em que continuará a ser 10 anos desde que estas finalidades sejam devidamente comprovadas. “Esta alteração não põe em causa a capacidade de supririnsuficiências temporárias de liquidez das famílias”, conclui.

Banca apoia medidas, mas pede mais

A Associação Portuguesa de Bancos (APB), vê a medida com bons olhos, congratulando-se, segundo as declarações ao Jornal de Negócios, “com o conjunto de medidas que têm vindo a ser anunciadas e adotadas pelas autoridades regulatórias e de supervisão, nacionais e europeias, incluindo a que foi anunciada pelo Banco de Portugal”.

Apesar disso, a associação nota que a “evolução incerta da situação e a amplitude dos seus efeitos poderão vir a determinar a necessidade de virem a ser adotadas medidas adicionais”.

(Também) vai ser possível efetuar pagamentos contactless até 50 euros

A partir desta quarta-feira, 25 de março de 2020, os consumidores passaram a poder utilizar a tecnologia 'contactless' para efetuar pagamentos presenciais até 50 euros, acima dos atuais 20 euros. “Será apenas necessário aproximar o cartão do terminal de pagamento e não será exigido o PIN”, informa o BdP.

O sistema bancário nacional, em articulação com o BdP e a SIBS, decidiu aumentar o montante máximo para fazer pagamentos com a tecnologia contactless sem necessidade de introduzir o PIN, dada a evolução da pandemia do novo coronavírus, e num momento em que se incentivam os pagamentos “sem contacto”.