Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Casas pré-fabricadas: viagem pela história das casas da moda

inHAUS
inHAUS
Autor: Eduardo G. Martínez

Atualmente, o mercado imobiliário (também) passa pela industrialização. E há cada vez mais promotoras e empresas a investir e a aderir à tendência das casas pré-fabricadas, também pelas vantagens da sua construção, mais rápida e eficiente. Os modelos atuais têm um design sofisticado e moderno, mas nem sempre foi assim. Esta é uma viagem pela sua história. Desde as origens até hoje.

Um nascimento confuso

O início das casas pré-fabricadas é difuso, mas acredita-se que um dos primeiros edifícios em Cape Ann, Massachusetts, em 1624, foi parcialmente fabricado e movido pelo menos uma vez. Séculos depois, o médico John Rollo, o primeiro a prescrever uma dieta pobre em carbohidratos para diabetes, descreveu em 1801 o uso anterior de edifícios hospitalares portáteis nas Índias Ocidentais.

Mas se estamos à procura de um momento específico, talvez o ponto de referência seja "Cabana de Manning". Um carpinteiro londrino, Henry Manning, construiu uma casa em partes em 1837 e despachou-a para a Austrália, onde foi montada. A ideia resultou e ele continuou a enviar as casas em partes. O ano de pico para a importação de edifícios portáteis para a Austrália foi 1853, quando várias centenas chegaram. Na verdade, algumas das casas que ele enviou ainda estão de pé, como a Friends Meeting House em Adelaide.

Wikimedia commons
Wikimedia commons
  • As casas por catálogo                                             

O grande boom ocorreu em 1908 nos Estados Unidos. A americana Sears Roebuck & Co. revolucionou o mercado imobiliário com o lançamento de catálogos de residências que podiam ser personalizadas de acordo com a vontade do consumidor.

De 1908 a 1940, a empresa ofereceu um catálogo anual de casas pré-fabricadas numa ampla variedade de estilos e tamanhos. Havia modelos muito simples e pequenos até mansões. Como se se tratasse de um móvel IKEA, os produtos vinham acompanhados de um kit de embalagem com todos os componentes e ferramentas necessários à construção da casa, exceto os a realizar 'in loco', como terraplanagem, fundações, etc.

Sears Archive
Sears Archive
Ao serem construídas em fábricas, os tempos de execução foram reduzidos em 40%, o que fez com que milhões fossem vendidos e a cultura de casas pré-fabricadas nos Estados Unidos começou a tomar forma, o maior expoente desse tipo de construção.

Primeira metade do século XX

  • Frank Lloyd Wright

Frank Lloyd Wright, o famoso arquiteto que construiu a lendária Cascade House, também deu atenção especial às casas modulares, pois estava convencido de que essas casas seriam mais acessíveis e resistentes, já que os custos de mão-de-obra seriam reduzidos.

Wikimedia commons
Wikimedia commons

Wright desenvolveu entre 1911 e 1917 um sistema chamado The American System-Built Homes para a empresa Richards Company. Ele criou centenas de planos nos quais especificou como construir partes de edifícios em fábricas. O arquiteto acabou por processar a empresa e o projeto acabou. Acredita-se que cerca de 25 dessas casas foram construídas, das quais 15 sobrevivem até hoje.

  • Le Corbusier

Um dos arquitetos mais influentes do século 20, Charles Édouard Jeanneret-Gris, mais conhecido como Le Corbusier, também demonstrou grande interesse por casas pré-fabricadas. Influenciado pela sua paixão por carros e aviões, ele concebeu a definição de habitação como “a máquina viva”, algo que lhe rendeu muitas críticas.

Wikimedia commons
Wikimedia commons

Em 1914, ele patenteou o sistema "Dom-Ino" para reconstrução do pós-guerra. O esboço consistia basicamente num esqueleto de betão armado composto por três pavimentos interligados por uma escada e seis pilares que se apoiavam em fundamentos pré-moldados. A partir desse sistema, fez diversos projetos de casas industrializadas.

  • “Casa sobre rodas”

Entre 1930 e 1940 surgiu um movimento que continuará até hoje. Surgem as primeiras casas móveis pré-fabricadas que podem ser transportadas num reboque. Essas casas espalharam-se rapidamente devido à existência de parques para caravanas.

  • Walter Gropius

O fundador e diretor da famosa escola Bauhaus, Walter Gropius, trabalhou no desenvolvimento de casas pré-fabricadas para resolver os problemas de acesso à habitação durante o pós-guerra na Alemanha. O seu design moderno influenciou não só o desenvolvimento dessas casas, mas toda a arquitetura dos anos seguintes.

A sua contribuição mais notável foi o Packaged houses em 1942, que projetou em conjunto com o arquiteto alemão Konrad Wachsmann. As casas eram baseadas em painéis de madeira montados, unidos por placas de metal.

Infelizmente, não foram produzidas mais de 200 casas desse tipo, pois os seus custos eram elevados - não levavam em conta as dimensões padrão da indústria americana.

Segunda metade do século XX

  • Casas Móveis

Em 1955, começaram a ser fabricadas casas modulares transportáveis, que nasceram em resposta às restrições dos Estados Unidos às “Casas sobre rodas”. Foram transportadas em plataformas de camiões e para poder instalá-las permanentemente no local foi necessário o uso de uma grua,, o que resultou numa estrutura mais robusta do que as “Casas sobre rodas”.

  • Casa Modular

Em 1975, nasceram as casas pré-fabricadas que mais se assemelham à conceção atual. As casas modulares foram concebidas pelo arquiteto Paul Rudolph. Foram inspiradas nos princípios de contentores marítimos e foram concebidas como uma casa modular transportável.

Essas casas chegaram ao destino quase totalmente concluídas. Além disso, pela primeira vez, foi possível realizar a união entre os módulos, ou seja, eles poderiam ser expansíveis.

Dezeen
Dezeen

Atualidade

Desde então, as casas pré-fabricadas ganharam um enorme destaque no mercado imobiliário. Os tempos de construção, personalização e realocação tornam-nas atrativas. Os desenhos foram aperfeiçoados e hoje é possível encontrar casas feitas em fábricas para todos os gostos e bolsos.

inHAUS
inHAUS

De facto, grandes promotores e até poderosas empresas como a Google ou Facebook têm demonstrado interesse por esse tipo de construção.

 A mudança de 360 ​​graus que a pandemia de coronavírus causou no modo de vida fez também com que muitas pessoas demonstrassem mais interesse em casas pré-fabricadas. “Percebemos um aumento de 50% no interesse em nossas casas”, comentam desde a inHAUS. “Relacionamos isso com o interesse de muitas pessoas em ter casas com mais espaço e, em geral, com procura por um maior conforto em casa, já que agora se passa mais tempo nela, tanto no trabalho quanto no lazer. Muitas pessoas chegam a pensar em ter uma academia em casa, algo que até poucos anos atrás não era comum ”, complementam.