Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

ARCO 2020: visita guiada pela feira de arte de Madrid, desde as obras mais caras às mais baratas

Nova edição da principal feira de arte de Madrid com mais de 200 galerias e 1.350 artistas.

Autor: @jone

O coronavírus não fez (até ao momento) parar a ARCO 2020. A mais importante feira de arte de Madrid (Espanha) - e uma referência no panorama internacional - abriu ontem a sua trigésima edição ao público (depois de um primeiro dia para profissionais), com mais de 200 galerias e 1.350 artistas de 30 países diferentes. Fecha as portas no domingo, dia 1 de março de 2020. Entretanto o idealista/news fez uma visita pelo espaço para mostrar-te agora algumas das obras em destaque e para várias carteiras.

Embora este ano não haja país convidado, como aconteceu em 2016, a edição de 2020 gira em torno de um conceito: “É apenas uma questão de tempo”, em torno do trabalho do artista cubano Americano Felix Gonzalez Torres, que morreu de SIDA em 1996. Gonzalez Torres era bem conhecido nos anos 80 em Nova York, quando fazia parte do Grupo Material. Usou objetos como relógios, lâmpadas ou doces embalados para fazer instalações e esculturas minimalistas. Alguns de seus trabalhos chegaram a 4,6 milhões de dólares em leilões.

A principal novidade desta edição da ARCO 2020 serão visitas guiadas com um profissional do mundo da arte. Pensadas para grupos de 15 pessoas, custaram 20 euros adicionais ao preço do bilhete de entrada individual, que varia de acordo com o dia da visita ou o método de pagamento escolhido, com preços especiais para estudantes.

Há várias atividades diferentes, como fóruns com artistas ou ARCOkids, orientadas para crianças, mas, afinal, a principal atividade do ARCO é a promoção de artistas e a venda de obras de arte. Se és um amante da arte, ou um investidor, tens de ver a seleção que te preparámos e que contempla uma variedade de opções adequadas para todos os orçamentos e gostos.

Pablo Picasso (Galeria Edward Tyler Nahem)

Pablo Picasso (Galeria Edward Tyler Nahem)
Retrato de Jacqueline (1957). 6.800.000 dólares

Esta peça foi revelada como a obra mais cara da 39ª edição do Arco. Este é um retrato cubista da segunda e última esposa do pintor nascido em Málaga, Jacqueline Roque, pintada em tons ocres. Muito próximo a este trabalho está a escultura 'O fundo é o ar XVIII', de Eduardo Chillida, no stand da Galeria Hauser & Wirth, dedicada ao escultor espanhol e tem um preço de 5 milhões de euros.

Georg Baselitz (Galeria Thaddeus Ropac)

Georg Baselitz (Galeria Thaddeus Ropac)
Oh, Frau Kraut, oh (2019). 1.200.000 euros

 

Este trabalho reúne influências de Art Brut, o informalismo e expressionismo abstrato deste grande pintor alemão. O trabalho representa uma das pinturas da série de retratos de Johanna Elke Kretzschmar, sua musa e esposa desde 1961. Baselitz morreu aos 81 anos, depois de expor em museus como o MoMA, o Solomon R. Guggenheim em Nova York ou o Georges Pompidou Centre em Paris, onde viveu de 1950 até sua morte.

Leandro Erlich (Galeria Nogueras Blanchard)

Leandro Erlich (Galeria Nogueras Blanchard)
Traffic Jam (2018). 65.000 dólares

Também conhecido como o Banksy 'porteño' (de Buenos Aires), Leandro instalou esse mesmo trabalho em tamanho natural na praia de Miami, na edição Art Basel 2019. Este artista brinca com ilusões de ótica. Neste caso, concentra-se nas mudanças climáticas, representando o colapso planetário através do colapso do tráfego.

Jonathan Meese (Galeria Krinzinger Vienna)

Jonathan Meese (Galeria Krinzinger Vienna)
“DR. K.U.N.S.T. -HOAX KUNSTET ALLE(S)!” (2019). 57.000 euros

Jonathan Meese é um artista multidisciplinar alemão de 50 anos. Meese é um artista performático, além de pintor, escultor e escritor. Trabalha sobretudo em Hamburgo e Berlim, e é conhecido pelos seus desenhos, colagens e obras. Jonathan Meese era um estudante da Hochschule für Bildende Künste em Hamburgo, mas deixou a escola antes de se formar porque foi selecionado pela Galeria de Belas Artes Contemporâneas de Berlim, e desde então sua carreira tem sido um êxito.

Regina José Galindo (Galeria Prometeo)

Regina José Galindo (Galeria Prometeo)
El dolor en un pañuelo (1999). 20.000 euros

Regina José Galindo (1974) é uma artista plástica e poeta que utiliza a performance como principal veículo. Galindo recebeu o Golden Lion Award de melhor artista jovem na 51ª Bienal de Veneza (2005). Esta fotografia foi tirada numa performance em que o artista denunciou 200 violações cometidas na Guatemala, num único mês. Durante a instalação, a artista projetava as notícias no seu próprio corpo.

Riiko Sakiinen (Galeria Forsblom)

Riiko Sakiinen (Galeria Forsblom)
Franco no fue tan malo como dicen (2019). 15.000 euros

Não há nenhuma edição de ARCO sem polémica, e este ano é protagonizada pelo provocante artista finlandês Riiko Sakkinen, que ironiza com as virtudes atribuídas ao ditador. Riiko Sakiinen é um artista finlandês que explora a cultura do consumo. Nasceu em Helsinquia, vive e trabalha em Pepino, uma população de 3.000 habitantes de Toledo (Espanha)

Cabello/Carceller (Galería Elba Benítez)

Cabello/Carceller (Galería Elba Benítez)
Autorretrato como fuente (2001) 7.000 euros

O trabalho coletivo de Helena Cabello (Paris, 1963) e Ana Carceller (Madri, 1964) construiu pontes entre a criação artística e a crítica de arte, curadoria e ensino. As artistas partilham diferentes performances nas quais visam o feminismo, a ação queer ou arrastam a política. Nesta fotografia, questionam o género, fotografando-se de pé, exatamente como os homens.

Noemí Martínez (Galeria José de la Mano)

Noemí Martínez (Galeria José de la Mano)
Abstracción (1964-1969) 4.000 euros

A Galeria José de la Mano optou pelo talento feminino nesta edição da ARCO. Noemí Martínez, de origem argentina, é uma das escultoras quase esquecidas das décadas de 1950 e 1960 que podemos encontrar no seu stand.

Juan Luis Moraza (Galeria Espacio Mínimo)

Juan Luis Moraza (Galeria Espacio Mínimo)
Banco Internacional de Tiempo Laboral (2019) 600 euros

 

Na Galeria do Espaço Mínimo, podemos encontrar 2 obras deste artista vitoriano, que com a sua série 'Banco Internacional para o Tempo de Trabalho' quer fazer-nos refletir sobre o tempo de trabalho que precisamos usar para poder aceder a qualquer bem de consumido.

Bonifacio (Galeria Helga de Alvear)

Sorginak (1972) 250 euros

Este artista de San Sebastian (Espanha) morreu em 2011. O seu nome completo era Bonifacio Alfonso Gómez, embora ele tenha assinado suas pinturas simplesmente como Bonifacio. O seu estilo, a meio caminho entre surrealismo e expressionismo abstrato, foi elogiado por artistas como Jorge Oteiza e, ao longo de sua carreira, destacou seu trabalho como gravador. Esta feira é uma boa oportunidade para adquirir uma de suas impressões a um bom preço.