Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Uma casa pré-fabricada ecológica na costa australiana que esconde um interior incrível

A casa foi projetada pelo estúdio Wiesebrock Architecture.

Créditos: Ben Hosking para Wiesebrock Architecture
Créditos: Ben Hosking para Wiesebrock Architecture
Autor: Vicent Selva (colaborador do idealista news)

Existem lugares onde viver pode ser, para alguns, quase como realizar um sonho. É o que acontece com esta bela casa pré-fabricada, batizada como Bellbrae House, e projetada pela Wiesebrock Architecture. Podemos encontrá-la num lugar tranquilo entre Torquay e Anglesea, ao longo da costa acidentada de Victoria, Austrália. O projeto toma como referência os modos de vida tradicionais do meio rural e os elementos das formas arquitetónicas agrícolas são combinados com uma abordagem refinada e ponderada.

Os proprietários desta casa são reformados, pelo que o estúdio procurou que todos os pormenores concebidos sirvam eficazmente os seus proprietários e se adaptem às suas necessidades. O projeto iniciou-se com a renovação e ampliação da casa existente, a partir da década de 1970, numa propriedade rural de 4 hectares, mas foi necessário alterar o objetivo inicial quando se constatou que o edifício original estava afetado e a sua reabilitação não era segura. Agora, a nova casa ocupa espaço da original, respondendo às restrições do local a serem preservadas.

Para além da envolvência paradisíaca, as características da casa são também um fator fundamental. O aspeto exterior destaca-se pelas chapas de aço corrugado que revestem as fachadas, o que confere ao conjunto um toque muito peculiar e característico.

A casa está organizada em torno de um par de módulos separados por um grande telhado: o módulo menor acomoda dois quartos de cada lado com casa de banho partilhada e uma pequena cozinha na entrada. Funciona como um espaço para visitas de filhos e netos e também pode ser usado como retiro de escritores quando os filhos não estão presentes.

Para o desenvolvimento do projeto, foi adotada uma abordagem de "triple bottom line": evitar custos excessivos, tanto na construção quanto na manutenção futura; ser adaptável a um número variável de ocupantes, de duas pessoas a números muito maiores, e ser capaz de responder a critérios de sustentabilidade. Para isso, todas as iniciativas voltadas para a sustentabilidade ambiental somaram-se à viabilidade financeira de longo prazo da nova casa. Para possibilitar o cumprimento dos objetivos traçados, o estúdio optou por utilizar estruturas de madeira em todos os componentes do conjunto.