Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Excelente, magnífica e luminoso: os adjetivos mais usados para vender casas em Portugal

Autor: Redação

A venda de uma casa exige, além de um esforço para conhecer o mercado e de um book fotográfico, uma boa descrição que pormenorize da melhor forma possível todas as sua características. Um estudo realizado pelo idealista, que analisou os adjetivos mais usados nas descrições dos anúncios, revela que “excelente”, “magnífica” e “luminoso” são as palavras mais usadas por proprietários e profissionais imobiliários na hora de pôr a casa à venda.

Seguem-se na lista dos 10 adjetivos mais utilizados os termos “belíssima”, “sossegada”, “espaçoso”, “ampla”, “tranquila”, “luxo” e “fantástica”.

Os diferentes adjetivos qualificativos marcam também os preços da habitação. Assim sendo, os “excelentes” têm um preço médio de 304.220 euros enquanto os anúncios que incluem a palavra “magnífica” situam-se nos 416.212 euros. Já os “luminosos” têm um preço médio de 408.670 euros, as “belíssimas” 414.911 euros e as “sossegadas” 365.755 euros. As “fantásticas” são mais caras (420.735 euros) que as “tranquilas” (360.093 euros) e mais baratas que as de “luxo” (477.266 euros).

De referir ainda que nas casas mais exclusivas (com um preço superior a um milhão de euros), “magnífica” é o adjetivo mais utilizado, seguido por “luminosa”, “belíssimo”, “excelente” e “ampla”. Nos intervalos de preços mais económicos (com um valor inferior a 150.000 euros), os principais adjetivos são similares aos gerais, surgindo dois novos conceitos: “ótimo” e “especial”.

O estudo concluiu ainda que os proprietários preferem utilizar adjetivos do género feminino (17 dos 30), seguido pelo género masculino (sete) e neutro (neutro).

Em termos geográficos não há grandes diferenças, ou seja, a maioria dos proprietários partilha as mesmas capacidades descritivas na hora de vender uma casas: “excelente” e “magnífica” são os reis do vocabulário imobiliário em quase todas as regiões. O adjetivo “espaçoso” surge também em todas as regiões e o Centro é a única região que não contempla “luminoso” na sua lista de adjetivos mais utilizados.

No intervalo de preços mais baixos (menos de 150.000 euros), na região de Lisboa surge o termo “remodelado” e no Algarve a palavra “renovado”, adjetivos que não se encontram na lista das restantes regiões.

Já no mercado dos imóveis que custam mais de um milhão de euros, “luxo” é transversal a todas as regiões. Nas regiões do Alentejo, Algarve, Madeira e Lisboa, “única” é o adjetivo comum, sendo que na região de Lisboa os proprietários preferem usar o género masculino “único”. Por outro lado, no Centro e Norte “original” e “especial” são as palavras mais usadas para descrever os imóveis.