Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Hora de renovar o quarto das crianças? Dicas infalíveis

Bastien Jaillot/Unsplash
Bastien Jaillot/Unsplash
Autor: Redação

Quando se tem filhos ou crianças, um dos espaços mais importantes e acarinhados da casa é o seu quarto. Independentemente da idade, este é um espaço que requer bastante detalhe e atenção. Não é por acaso, que quando um casal espera a chegada de um filho, um dos primeiros instintos seja imaginar e idealizar o quarto do bebé.

Com a ajuda da MELOM*, empresa especializada e líder em remodelação de imóveis, fazemos um resumo do que se deverá ter em consideração ao renovar uma divisão da casa para crianças, de forma a que este tenha um ambiente aconchegante, tranquilo e divertido.

Designinvogue.com / Pinterest
Designinvogue.com / Pinterest

Aspetos comuns

Primeiro que tudo, o quarto deverá ser o “cantinho da criança”, ou seja, deverá estar adequado aos gostos, faixa etária e género da criança. Deverá ter áreas funcionais de acordo com as suas rotinas, nomeadamente espaços diferenciados para descanso, higiene e aprendizagem nos primeiros anos de vida e áreas de estudo e diversão para crianças mais velhas.

Existem, contudo, aspetos que deverão ser levados em consideração em todos os casos, nomeadamente o favorecimento de espaços com muita luz e ventilação natural, e nos casos onde é possível, escolher a divisão que será o quarto da criança, beneficiar a divisão com a orientação a Nascente, de forma a que o quarto tenha uma temperatura mais confortável durante a maior parte do ano.

Outro aspeto a privilegiar é o descanso da criança, que em muito se encontra relacionado com o correto obscurecimento do quarto, que poderá ser feito através da aplicação de estores, portadas (com lamelas orientáveis) ou blackouts interiores, que ocultam a 100% a luz solar.

Que revestimentos deverão ser utilizados

Nos quartos das crianças deverão ser utilizados materiais facilmente laváveis e que não tenham grandes necessidades de manutenção. Assim, ao nível dos pavimentos, recomenda-se o uso de pavimentos de madeira, laminados ou vinílicos, excelentes no que se refere à proteção contra riscos e manchas, além de serem confortáveis ao toque e ótimos para brincadeiras no chão.

Relativamente às paredes, deverão ser utilizadas tintas laváveis, onde com a passagem de um pano húmido, tudo parecerá como novo. Para isso, independentemente da cor, deverão ser utilizadas tintas aquosas ou vinílicas, disponíveis em várias marcas, no nosso mercado, preferencialmente de baixa emissão de COV (Compostos Orgânicos Voláteis).

muralswallpaper.co.uk / Pinterest e theeffortlesschic.com/ Pinterest
muralswallpaper.co.uk / Pinterest e theeffortlesschic.com/ Pinterest

Caso queiras dar algum apontamento especial ao quarto da criança, poderás sempre utilizar tinta com efeito ardósia, permitindo que todos deem asas à sua imaginação, desenhando sobre esta área com giz. Poderás ainda transformar uma parede numa superfície magnética, onde será possível colocar ímanes com fotografias, desenhos ou horários escolares, através da aplicação de tintas magnéticas.

Ainda falando de paredes, poderão ainda ser utilizados diversos padrões de papel de parede ou adesivos vinílicos, facilmente laváveis, resistentes à luz e muito duráveis, e que conferem ao espaço um toque personalizado.

Que cores devem ser utilizadas

Está comprovado cientificamente que as cores influenciam o estado emocional das crianças, contribuindo para o seu desenvolvimento emocional, criativo e influenciando a sua concentração. Assim, de acordo com a sua faixa etária recomenda-se a utilização de cores e tonalidades diferenciadas.

No que se refere aos bebés, são muito sensíveis ao ambiente que os rodeia, pelo que se deve privilegiar as cores suaves, claras e com tonalidades de pastel, conferindo tranquilidade, conforto e estabilidade ao espaço.

Assim, deverão ser utilizados tons claros de azul, rosa e verde, tons terra, brancos e cinzas claros, complementados com elementos neutros.

Escolhe a cor principal para a decoração das paredes e mobiliário e uma cor contrastante a condizer para detalhes, incluindo cortinados, tapete, têxtil, objetos de decoração e arrumação.

Projectnursery.com / Pinterest
Projectnursery.com / Pinterest

Entre os 3 anos e os 7 anos, a criança já cria o seu próprio mundo, através de brincadeiras. É também nesta idade, que o cérebro se encontra mais ativo e criativo. Neste sentido, as cores do quarto deverão refletir este desenvolvimento, através da aplicação de cores mais vibrantes e que estimulam o desenvolvimento cognitivo. Deverão também ir de encontro aos seus gostos pessoais e brincadeiras.

Hanna Anderson/ decoholic.org e Neudekoration.club/ Pinterest
Hanna Anderson/ decoholic.org e Neudekoration.club/ Pinterest

Entre os 8 e os 12 anos, as crianças exploram a sua própria personalidade e o seu posicionamento no mundo que as rodeia. Tendem a deixar para trás o mundo de fantasia e querer personalizar o seu espaço, de acordo com as suas vivências e interação com os outros. Neste sentido, nesta idade tendem a gostar de tons mais escuros e/ou neutros.

Pbteeen.com/ Pinterest
Pbteeen.com/ Pinterest

Têxteis e padrões

Além de um tema geral, o quarto deverá ter o cunho pessoal da criança, através da utilização de elementos pessoais e trabalhos elaborados pela criança, que poderão ser emoldurados e incluídos na decoração do quarto. 

De forma a conferir inspiração, motivação e conforto, o espaço deverá incluir têxteis, como tapetes, colchas, cortinados, estores, que demonstrem o seu gosto. Poderá ser através de tons neutros, possibilitando a sua conjugação com os objetos do dia a dia ou padrões mais marcados, que confiram personalidade ao espaço, nomeadamente com temas infantis, de animação, geométricos, listrado ou florais.

Micasarevista.com/ Pinterest
Micasarevista.com/ Pinterest

Qual o mobiliário mais adequado

O quarto da criança deverá ser organizado e arrumado, devendo existir áreas distintas para as várias atividades e espaços de arrumação para brinquedos, roupas, livros e atividades lúdicas, conforme a faixa etária da criança.

Para isso, será muito importante escolher o mobiliário que melhor se adapta às necessidades do momento. O mobiliário poderá ser novo ou ser a renovação de mobiliário já existente, nomeadamente cómodas, armários, roupeiros e secretárias, que através de uma pintura e a mudança de puxadores, ficarão com uma nova vida.

Outro especto a ter em consideração é o facto de as crianças crescerem e terem diferentes necessidades. Assim, poderás optar por um mobiliário que se adapta às várias etapas de crescimento da criança, por vezes um pouco mais caro, mas que irá acompanhar a criança ao longo da sua vida. Exemplo disso são os berços evolutivos, que se transformam posteriormente em cama e área de arrumação.

aptodecoradopequeno.com/ Pinterest
aptodecoradopequeno.com/ Pinterest

Nos casos onde o quarto é partilhado por várias crianças, com diferentes faixas etárias e género, poderá optar-se pela utilização de beliches, de forma a que cada criança tenha o seu espaço, ou camas com gavetões inferiores, que poderão incorporar um novo colchão ou espaço de arrumação, maximizando desta forma, o espaço livre disponível. Em situações em que o quarto tenha uma dimensão considerável, poderão ainda ser utilizados biombos ou estantes, como divisória e compartimentação do espaço.

Qual a melhor iluminação

Tal como foi referido anteriormente, o quarto das crianças deverá estar estruturado em diferentes áreas, de acordo com as atividades desenvolvidas. Assim, deverá existir uma iluminação principal no teto, pontual ou com diversos pontos de luz e iluminação diferenciada em cada uma das zonas.

Etsy.com / Pinterest e Ameblo.jp/ Pinterest
Etsy.com / Pinterest e Ameblo.jp/ Pinterest

Junto à cabeceira da cama a iluminação deverá ser acolhedora e intimista, permitindo haver um espaço para as histórias antes de adormecer ou períodos de leitura para os mais velhos. Em áreas de estudo, deverá ser utilizada a iluminação direta, de forma a facilitar a concentração.

Existem ainda casos, onde poderão ser utilizados temporariamente outros tipos de iluminação, como é o caso da “luz de presença”, para crianças pequenas com medo do escuro, ou uma iluminação com a possibilidade de regulação da intensidade da luz, para os quartos de bebés, onde existe a necessidade de alimentar e trocar fraldas durante a noite, sem que isso perturbe ou desperte a criança.

Por último, mas não menos importante, a segurança

Relativamente aos quartos de bebés e crianças mais pequenas é necessário dar especial atenção à questão da segurança, nomeadamente na proteção das tomadas e extensões, de forma a que as crianças não coloquem os dedos e objetos na tomada. Nos cantos e esquinas vivas através da colocação de protetor de cantos ou privilegiando mobiliário com cantos arredondados. Colocação de travão para porta, para evitar que as crianças se entalem, e por último a colocação de batentes de segurança em janelas, para evitar a abertura da mesma por crianças pequenas.

*A elaboração deste artigo contou com o apoio técnico da MELOM Space (Vila Franca de Xira).