Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

São Francisco lidera a resistência das casas para turistas face ao "lobby" hoteleiro

Autor: Redação

A maioria (55%) dos habitantes de São Francisco deseja total liberdade na hora de arrendar as suas casas a turistas e demonstrou-o nas urnas. Na passada terça-feira, a cidade californiana votou contra a chamada preposição F, uma iniciativa impulsionada pelo "lobby" hoteleiro que pretendia limitar a 75 dias por ano o tempo em que se poderia arrendar uma casa, com fortes multas de até 1.000 dólares por dia (910 euros) e apartamento para quem superasse esse valor.

Durante as últimas três semanas, os suportes de publicidade e os meios de comunicação converteram-se no palco de uma guerra entre a Airbnb, a empresa de alojamento local com maior presença em São Franciso, e os grandes empresários norte-americanos dos hotéis. E não é para menos, sobretudo numa cidade que recebe mais de 16 milhões de turistas por ano.

"Os votantes colocaram-se ao lado das famílias trabalhadoras e do seu direito de partilhar as suas casas, opondo-se a uma medida tirana da industria hoteleira", declarou Christopher Nulty, porta-voz da Airbnb.

A companhia que comercializa casas de férias não hesitou em usar a sua base de dados e ir "porta a porta" a solicitar o voto contrário à proposta F entre os seus utilizadores.

Além das multas, entre os argumentos da aplicação para ir contra a preposição fizeram fincapé em que fomentaria que os vizinhos se controlassem entre si, se denunciassem e utilizassem práticas desleais.

De acordo com dados da startup, no ano passado 138.000 habitantes da cidade alojaram-se num dos seus espaços ou foram anfitriões.

Ontem entretanto ficou a saber-se que houve mais uma movimentação no mercado internacional do alojamento local. A norte-americana Expedia, a agência de viagens online maior do mundo depois de ter adquirido a riva Orbitz, anunciou a compra de HomeAway, dedicada ao negócio das casas para turistas, por um total de 3.900 milhões de dólares (cerca de 3.572 milhões de euros), para competir a sério neste negócio.