Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Juros no crédito à habitação em máximos de agosto de 2016

INE
INE
Autor: Redação

A taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação aumentou em janeiro para 1,054%, o valor mais alto desde agosto de 2016. Já a prestação média vencida manteve-se em 244 euros.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), “a taxa de juro implícita no crédito à habitação subiu de 1,053% em dezembro de 2018 para 1,054% em janeiro de 2019”. “Para o destino de financiamento Aquisição de Habitação, o mais relevante no conjunto do crédito à habitação, a taxa de juro implícita para o total dos contratos manteve-se em 1,075%”, conclui a entidade.

Relativamente ao valor médio da prestação vencida manteve-se em 244 euros, à semelhança do que tinha acontecido em dezembro de 2018. “Deste valor, 46 euros (19%) correspondem a pagamento de juros e 198 euros (81%) a capital amortizado”, explica o INE, acrescentando que “nos contratos celebrados nos últimos 3 meses, o valor médio da prestação diminuiu 23 euros em janeiro, para 309 euros”.

Já o capital médio em dívida para a totalidade dos contratos subiu 128 euros num mês, para 52.504 euros. Já no caso dos contratos celebrados nos últimos 3 meses, o montante médio do capital em dívida desceu 1.358 euros para 98.235 euros