Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Bancos emprestaram 968 milhões para a compra de casa em janeiro

É o valor mais baixo desde agosto do ano passado, segundo dados do Banco de Portugal (BdP).

Photo by pixpoetry on Unsplash
Photo by pixpoetry on Unsplash
Autor: Redação

Os bancos emprestaram 968 milhões de euros para a compra de casa em janeiro deste ano, menos 235 milhões de euros que no mês anterior – em dezembro de 2020, os bancos financiaram as famílias portuguesas em 1.203 milhões de euros para a aquisição de habitação, batendo novos recordes. O valor emprestado neste primeiro mês do ano é o mais baixo desde agosto do ano passado, segundo dados do Banco de Portugal (BdP).

“Em janeiro de 2021, os volumes de novas operações de empréstimos para habitação, consumo e outros fins totalizaram 968 milhões, 281 milhões e 137 milhões de euros, respetivamente”, diz o boletim publicado esta quarta-feira, 3 de março de 2021. De acordo com o supervisor, a taxa de juro média destas novas operações de empréstimos a particulares para habitação foi de 0,77%, menos três pontos base do que no mês anterior e um novo mínimo histórico, pelo sexto mês consecutivo.

Recorde-se que as novas operações de crédito para a compra de casa ficaram abaixo da fasquia dos 900 milhões nos meses de abril, maio e junho de 2020, no período mais crítico da pandemia, conseguindo, ainda assim, não sair baixar da marca dos 830 milhões. Mas as novas operações de crédito à habitação recuperaram o fôlego a meio do ano, superando novamente a fasquia dos 900 milhões de euros em empréstimos para a compra de casa em julho. Voltaram a arrefecer em agosto de 2020 (foram emprestados 854 milhões), e reagiram em força em setembro, mês em que se emprestaram 970 milhões para a compra de casa.

O ano acabou por fechar “em alta”: só em dezembro de 2020 os bancos deram 1.203 milhões de euros em empréstimos, valor mensal mais elevado desde julho de 2008. Em termos anuais, também se atingiram máximos de 12 anos no mercado nacional - Os bancos concederam um total próximo de 11,4 mil milhões de euros de crédito à habitação, atingindo níveis que já não se registavam há mais de uma década.

Crédito ao consumo (também) desce em janeiro

As novas operações de crédito ao consumo também caíram em janeiro. O montante emprestado recuou para 281 milhões de euros, face aos 359 milhões de euros do mês anterior e dos 460 milhões de euros de janeiro de 2020.

Já os novos empréstimos para outros fins somaram 137 milhões de euros, recuando face aos 215 milhões de euros do mês anterior e de janeiro de 2020.

Nos empréstimos ao consumo, a taxa de juro média aumentou para 6,56% e, nos empréstimos para outros fins, subiu para 3,66% (em dezembro estas taxas tinham sido de 6,09% e 2,97%, respetivamente).