Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Metade das famílias portuguesas ganha menos de 10.000 euros por ano

Autor: Redação

Portugal continua a concentrar muitas famílias nos escalões de rendimentos mais baixos. Quase 50% dos agregados familiares (44,98%) entregou declarações de IRS onde foram registados rendimentos brutos inferiores a 10.000 euros ano. As estatísticas do IRS, divulgadas pelo Fisco, mostram ainda que apenas 0,81% do total de agregados recebe mais de 100.000 euros por ano.

Os números revelam que o país continua a manter baixos níveis de rendimentos. Os dados da Autoridade Tributária e Aduaneira, que analisou as declarações de IRS entregues ao Fisco já este ano, confirmam que quase metade das famílias recebe menos de 10.000 euros por ano. No intervalo de rendimento bruto de 10.000 a 19.000 euros, incluíram-se 27,62% dos agregados. A fatia entre 19.000 e 40.000 euros representa 19,40% e o bloco compreendido entre os 40.000 e os 100.000 euros, 7,18%. Apenas 0,81% do total recebe mais de 100.000 euros.

De 2015 para 2016, e de acordo com a nota de informação estatística, verificou-se em termos globais um crescimento de cerca de 1,25% no número de agregados que entregaram declarações de IRS e, também, um aumento de 1,49% no número de contribuintes com IRS liquidado (que pagaram imposto).

O rendimento bruto também aumentou. Registou-se, em termos globais, um aumento de cerca de 4,57% dos rendimentos brutos declarados pelos contribuintes. Os rendimentos da categoria A continuam a ser predominantes, representando, em 2016, 63,13% do total do rendimento bruto. Seguem-se os rendimentos da categoria H, que atingiram uma representatividade de 28,57% e os rendimentos da categoria B, com 5,09% do total do rendimento bruto.