Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Novos passes em Lisboa: guia para saber tudo o que muda

Wikimedia commons
Wikimedia commons
Autor: Redação

É oficial. A partir de 26 de março de 2019 começam a ser vendidos os novos passes na Área Metropolitana de Lisboa (AML) – válidos por um mês e não por 30 dias, como até agora. Esta é uma das mudanças, mas há outras, nomeadamente nos preços. Preparámos um guia sobre tudo o que muda e as dúvidas que ainda estão em cima da mesa.

O que muda

O cartão Lisboa Viva passa a ser único. Os passes locais vão acabar, pelo que, quem ainda não tiver este cartão, terá de procurar fazê-lo desde já: demora 10 dias a ficar pronto e aqui encontrarás tudo o que precisas de fazer para requisitá-lo.

Os novos passes e preços

  • Navegante Metropolitano – válido para todos os transportes em toda a AML e vai custar 40 euros;
  • Navegante – válido para todos os transportes em cada um dos 18 concelhos da região de Lisboa e vai custar 30 euros;
  • Passe familiar – agregará todos os cartões de uma família, independentemente do número de pessoas e em qualquer um dos casos só serão cobrados dois passes únicos por agregado. Exemplos:
    - Uma família que viva na cidade de Lisboa pagará no máximo 60 euros (o preço de dois passes Navegante);
    - Uma família que viva fora de Lisboa pagará no máximo 80 euros (o preço de dois passes Navegante Metropolitano).
  • Será criado o passe 12 anos – é gratuito e serve para as crianças até terem 13 anos;
  • Os descontos nos passes 4-18 e sub-23, para estudantes, continuam nos mesmos moldes;
  • Os preços mantêm-se, para já, nos outros 70 passes que custam menos de 30 euros, ou que custam entre 30 e 40 euros;
  • Passes para maiores de 65 anos estão a ser estudados.

Validade dos novos passes

O passe será valido de mês a mês e não por 30 dias, como até agora – e abril será o mês de transição.

A regra passará a ser esta, ou seja, a de carregar o passe no início de cada mês. E não há mudanças nos meios de carregamento: podem carregar-se os passes nos balcões dos operadores, máquinas automáticas e multibanco.

Perguntas e respostas sobre a transição

A subscrição mensal dos passes é a que está a gerar mais incertezas. Isto porque muitos utentes dos transportes públicos têm o passe válido até meados de abril, e têm dúvidas sobre se vão ser obrigados a comprar um novo passe no início do próximo mês (a 1 de abril).

O primeiro-secretário da AML, Carlos Humberto, disse à TSF que está a ser estudado o problema de transição. “Já temos solução apontada, mas queremos validá-la em definitivo. Para o mês de transição para as pessoas que compram em março e terminam a meio de abril, haverá uma solução”, afirmou.

O título carregado nos cartões será automaticamente substituído?

A resposta é sim para todos aqueles que já têm o cartão Lisboa Viva. É importante, por isso, que quem não o tenha faça já o pedido, para que chegue a tempo das mudanças.

O que acontece se a validade do passe acabar a 27 ou 28 de março?

Por três ou quatro dias poderá ser vantajoso comprar bilhetes ocasionais, para a dia 1 de abril fazer o novo carregamento.

E se o passe terminar muito antes, a 10 ou 15 de março?

Talvez seja melhor carregar o passe normalmente, uma vez que está a ser estudada a solução para os casos em que a validade termina em meados de abril.

“Admitimos que o mês de abril, transitoriamente, enquanto não acabam os chamados passes deslizantes, os passes de trinta dias, haja uma solução para aqueles dias intermédios entre o dia em que termina o cartão e o fim do mês”, assegura Carlos Humberto.