Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Dívida das famílias atinge máximos de três anos

Dados do Banco de Portugal sobre agosto mostram que valor de dívida no crédito ao consumo subiu 173 milhões de euros num mês.

Christian Dubovan/Unsplash
Christian Dubovan/Unsplash
Autor: Redação

O endividamento dos particulares subiu em agosto para o valor mais alto dos últimos três anos. Em causa estão dados revelados esta segunda-feira (21 de outubro de 2019) pelo Banco de Portugal (BdP), que permitem concluir que a dívida total das famílias foi de 140.004 milhões de euros, bem superior à verificada em julho (139.833 milhões de euros) e no período homólogo (139.604 milhões de euros). 

O crescimento do recurso aos empréstimos ao consumo explica a subida do endividamento dos particulares, escreve o Jornal de Notícias, salientando que os portugueses devem 42 mil milhões de euros em crédito ao consumo e outros fins. Trata-se do montante mais elevado desde junho de 2010, antes da crise de dívida europeia e da chegada da Troika ao país. 

De acordo com o Bdp, o valor de dívida no crédito ao consumo representa um aumento de 173 milhões de euros em termos mensais, ou seja, em agosto face a julho. 

No que diz respeito ao crédito à habitação, a dívida total dos particulares desceu em agosto dois milhões de euros face ao mês anterior: de 97.971 para 97.969 milhões de euros. 

No total, o endividamento da economia – setor público e privado, excluindo o setor financeiro – aumentou cerca de 400 milhões de euros em agosto face ao mês anterior, fixando-se em 723.976 milhões de euros. Uma subida que se deve ao maior endividamento do setor público, já que do valor de endividamento total, o setor público é responsável por 319.782 milhões de euros enquanto o setor privado é responsável por 404.194 milhões de euros.