Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

O que muda nos transportes públicos com o confinamento

A CP vai ter mudanças nas ligações ao fim de semana e a Carris passa a funcionar com o horário de verão. Metro de Lisboa e do Porto sem alterações.

Photo by Fabrizio Verrecchia on Unsplash
Photo by Fabrizio Verrecchia on Unsplash
Autor: Lusa

Com o novo confinamento geral, e por causa das restrições à circulação, os transportes públicos vão sofrer alterações de horários. A Comboios de Portugal (CP), por exemplo, vai manter a 100% a sua oferta de comboios urbanos, regionais e inter-regionais, com alterações nos Alfa Pendular, e a Carris vai cortar serviços e funcionar com horários de verão. Já o Metro de Lisboa e do Porto vão funcionar normalmente.

Fonte da CP avançou que, nos comboios Intercidades, irá manter-se a oferta em vigor durante os dias da semana, sendo que vão existir algumas alterações nos dias de fim de semana. Já os comboios Alfa Pendular vão ter alterações na sua oferta diária, sendo que os detalhes das alterações vão ser brevemente divulgados nos canais de comunicação da CP, nomeadamente, no site oficial. Este novo plano de oferta já entrou em vigor e deverá manter-se durante o próximo mês, podendo, “em função de alterações significativas às atuais regras de confinamento, ser reavaliado”.

O comboio Celta manterá a atual oferta, ou seja, uma circulação diária por sentido, enquanto nos comboios de Longo Curso, estão suspensas algumas circulações de comboios Alfa Pendular. Atualmente, e desde o mês de maio de 2020, a CP está a realizar a sua oferta de comboios a 100% por cento nos serviços Urbanos, Regionais e Inter-regionais, especificou a fonte.

Segundo a CP, no âmbito do Plano de Contingência COVID, a empresa mantém todas as ações de higienização e desinfeção dos seus comboios e instalações.

Carris corta carreiras

Já a Carris vai alterar o seu serviço com um corte de 14% face ao atual, e funcionar em horário de verão durante a semana, segundo a empresa.

“As alterações traduzem-se num corte de 14%, face ao serviço atual, ficando a operar com 89% do serviço oferecido no período homólogo. Estes ajustes, que entram em vigor a partir de sábado, serão monitorizados diariamente e alvo de alterações caso se verifique essa necessidade”, pode ler-se numa resposta da empresa à Lusa.

A partir desta segunda-feira, nos dias úteis passam a funcionar os horários de “Dia Útil de Verão” (DUV) na Carris, com alterações nas carreiras 706, 711, 758 e 781 que funcionarão com horário de “Dia de Férias Escolares” (DUF).

Segundo a empresa, vão ter suspensão integral de funcionamento as carreiras de bairro (com exceção das carreiras 26B, 29B, 34B, 37B, 40B e 41B), a carreira 24E, os ascensores (Bica, Glória e Lavra) e o Elevador de Santa Justa.

Já a partir do próximo fim de semana e nos seguintes, a Carris irá manter os horários atualmente praticados aos sábados e domingos/feriados, com a suspensão integral de funcionamento das carreiras de bairro (exceto a carreira 40B). Será igualmente suspenso integralmente o funcionamento das carreiras 716, 720, 732 e 797, a carreira 24E, os ascensores e o Elevador de Santa Justa, tal como acontece nos dias úteis.

Metro de Lisboa mantém serviço nos dias úteis e reduz carruagens ao fim de semana

O Metropolitano de Lisboa vai manter a oferta de serviços nos dias úteis durante o novo confinamento, e aos fins de semana e feriados reduz o número de carruagens dos comboios para metade.

Em comunicado, a transportadora precisa que manterá o seu serviço de exploração com a oferta a 100%, operando na sua capacidade máxima disponível, sem alterações à oferta nos dias úteis.

O Metropolitano diz também que continuará a funcionar aos dias úteis com um intervalo médio entre comboios de 3,35 a quatro minutos nas horas de ponta da manhã e de seis minutos nas horas de ponta da tarde.

Operação do metro do Porto “inalterada” durante o confinamento

A operação do metro na Área Metropolitana do Porto vai manter-se inalterada na sequência do novo período de confinamento, não havendo diminuição de frequências nem de capacidade.

Numa resposta enviada à Lusa, a Metro do Porto explica que a procura que se tem vindo a registar “mantém-se abaixo do limite de lotação de dois/terços da capacidade total”, razão pela qual a operação se mantém “inalterada”.