Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Portugal lidera a lista de países onde menos pessoas se embriagavam antes da pandemia

Global Drug Survey
Global Drug Survey
Autor: Lusa

Portugal lidera o ranking de países cujos cidadãos nacionais afirmaram nunca se terem embriagado em 2019, segundo o estudo sobre o uso de drogas “Global Drug Survey”. O mesmo – realizado a 100.000 pessoas em todo o mundo entre novembro e dezembro de 2019, antes do início da pandemia da Covid-19 – concluiu que 54% dos inquiridos em Portugal disseram que não se embriagaram nos 12 meses anteriores. Argentina (48%) e Colômbia (40%) completam o pódio, ocupando o segundo e terceiro lugares, respetivamente.

Um valor muito superior quando comparado com a média dos 32 países abrangidos no estudo, que foi de 16%. Na cauda da tabela encontram-se australianos e dinamarqueses: apenas 5% dos inquiridos confessaram não se terem embriagado.

De acordo com o estudo, o Reino Unido lidera a lista dos países com maior índice de população alcoólica do mundo, com taxas de alcoolismo superiores ao dobro em termos de embriaguez “grave” relativamente a países como Espanha, Itália ou Portugal.

Escoceses e ingleses, por seu turno, disseram que ficaram “seriamente” bêbados até que as faculdades físicas e mentais fossem afetadas e que “perderam o equilíbrio e o discurso racional” em média 33 vezes por ano.

O sul da Europa apresenta os dados mais baixos de embriaguez “forte”, liderados por Portugal, Itália e Espanha, com uma média de 14 “bebedeiras graves” por ano por pessoa.

O estudo analisou o consumo internacional de álcool e outras drogas legais e ilegais e concluiu que o álcool liderou, com 94% dos consumidores em 2019, seguido por canábis (64,5%) e só depois o tabaco (60,8%).

O abuso do álcool no Reino Unido deve-se a uma questão cultural, explicou Adam Winstock, fundador do "Global Drug Survey”, pois muitos ingleses e escoceses "vêem o álcool como a única forma de entretenimento e nunca adotaram moderação quando se trata de beber”.

"Muitas outras culturas consideram o álcool como um acompanhamento de um evento social e desaprovam a embriaguez em público, mas nós aceitamo-lo frequentemente como uma identidade cultural", acrescentou.

Uma pesquisa realizada pela mesma organização no ano passado mostrava que 48% dos entrevistados britânicos afirmaram ter bebido mais desde o início da pandemia covid-19. 

O Global Drugs Survey considera que o consumo de álcool representa um problema perigoso no Reino Unido, maior do que o de qualquer outra droga.