Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Vacinação permite “relaxar” no uso de máscara e distanciamento

O Centro Europeu de Controlo de Doenças atualizou as linhas orientadoras para controlo da pandemia e admite um alívio das restrições à medida que a vacinação avança.

Foto de Uriel Mont no Pexels
Foto de Uriel Mont no Pexels
Autor: Redação

À medida que a vacinação avança, o uso obrigatório de máscara e a preocupação com o distanciamento social poderá abrandar, segundo o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC, sigla em inglês), que atualizou esta quarta-feira (21 de abril de 2021) as linhas orientadoras para o controlo da pandemia. O organismo admite que alguns países podem começar, “lentamente”, a relaxar algumas restrições de combate à Covid-19, nomeadamente para vacinados.

O ECDC indica as “situações específicas” para o levantamento de restrições como distanciamento físico e uso de máscara, nomeadamente “quando indivíduos totalmente vacinados encontram outros indivíduos totalmente vacinados” ou quando “um indivíduo não vacinado ou indivíduos não vacinados da mesma família ou bolha social se encontram com indivíduos totalmente vacinados”.

O centro europeu sublinha que, no contexto atual, e dadas as evidências disponíveis, “o risco de desenvolver doença Covid-19 grave para um indivíduo totalmente vacinado é muito baixo em adultos jovens e adultos de meia-idade, e baixo em adultos mais velhos ou pessoas com fatores de risco subjacentes”, e que, por isso, a redução geral dos riscos de doença grave depende da adoção da vacina e da cobertura vacinal na população em geral.

“Evidências limitadas indicam que os indivíduos totalmente vacinados, se infetados, podem ter menos probabilidade de transmitir SARSCoV-2 para os seus contatos não vacinados. A incerteza permanece em relação à duração da proteção em tais casos, bem como a possível proteção contra variantes emergentes do SARS-CoV-2”, lê-se ainda no relatório divulgado.

O centro europeu considera, também, que os requisitos para testes e quarentena de viajantes e a testagem regular nos locais de trabalho “podem ser dispensados ou modificados para indivíduos totalmente vacinados, desde que não haja circulação ou [perante] um nível muito baixo de variantes”.

Ainda assim, e devido ao atual contexto epidemiológico na UE, “em espaços públicos e em grandes concentrações, incluindo durante viagens, as intervenções não-farmacêuticas [restrições e uso de máscara] devem ser mantidas independentemente do estado de vacinação dos indivíduos”, frisa o ECDC.