Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

IRS 2015: guia para que nada falhe na entrega da declaração

Autor: Redação

Está a decorrer a primeira fase da entrega do IRS. E, com todas as novidades que este ano tem o processo de apresentação da declaração de rendimentos de 2015, muitos contribuintes sentem dificuldades na hora de avançar. Aqui tens um guia com nove dicas para que nada falhe.

O Expresso compilou as dúvidas mais comuns e preparou uma lista de recomendações que agora te apresentamos.

  • Escolhe o browser certo. O navegador terá que ser o algum como o Internet Explorer, o Firefox ou o Safari (para OS X), para poder suportar o Java. Se usares o Chrome ou o Microsoft Edge vais ter problemas e poderá ser uma perda de tempo
  • Se optares pelo pré-preenchimento, não estranhes que não apareçam quaisquer valores. O Expresso diz que confirmou com as Finanças e é mesmo assim. A explicação é simples: como as despesas foram verificadas e validadas no e-fatura e na página das deduções, não é preciso (do ponto de vista da AT) que os valores voltem a aparecer. Se tiveres a certeza de que os valores estão corretos e não tem mais deduções a acrescentar (de quotas, seguros de vida de profissões de risco, PPR, etc.) é só validares, simular e submeter
  • No caso de teres um empréstimo à habitação ou de pagares renda de casa, mesmo no pré-preenchimento do IRS, é muito importante que incluas o anexo H e preenchas o campo 7 com o NIF do banco e os dados do teu imóvel. Estas informações constam da caderneta predial (que pode ser consultada no Portal das Finanças) ou no IRS do ano passado, se colocaste essa dedução.
  • No caso das Despesas Gerais Familiares não é preciso fazeres mais nada. Diz o semanário que já estão contabilizadas automaticamente, embora não apareçam em lado nenhum e a devolução do IVA só vá aparecer na Nota de Liquidação (é uma conta à parte das deduções clássicas). É como se fosse um bónus/prémio que vais receber por ter pedido fatura com NIF em 2015.
  • Não te esqueças de simular a entrega de IRS em conjunto e em separado, no caso de casais ou unidos de facto. A diferença pode ser enorme. E se um membro do casal entrega em abril e o outro em maio? A resposta da Ordem dos Contabilistas Certificados ao Expresso é jogar pelo seguro. O que entrega em abril entrega em separado. Depois em maio, já com os dados do outro cônjuge, simula em separado e em conjunto. Se for mais vantajoso em conjunto é só entregar essa declaração - e automaticamente a que entregou em abril é substituída por esta de maio.
  • ​Se optares por entregar o IRS em separado, ambos os sujeitos passivos têm de colocar o NIF dos filhos. Nem penses, avisa o Expresso, em pôr um filho num e o outro filho noutro ou dividir as despesas dos filhos pelos dois, ou colocar os filhos só no que tem maiores rendimentos. A AT faz as contas automaticamente. 
  • Caso discordes dos valores pré-preenchidos, terás de ir ao quadro 6C do anexo H e escolher a opção para alterar os valores. É aí, explica o semanário, que podes apagar os valores que lá estão e inserir os corretos, tanto para aumentar o valor da dedução, como para o reduzir.
  • Não tenhas pressa em entregar já o IRS. A Ordem dos Contabilistas Certificados, citada pelo jornal, aconselha a esperar até o simulador estar completamente estabilizado. Já foram feitas atualizações e há “bugs” que ainda vão ser corrigidos.