Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Grupo Lena e administrador da construtora juntam-se aos arguidos da Operação Marquês

Jornal de Negócios
Jornal de Negócios
Autor: Redação

O administrador do Grupo Lena, Joaquim da Conceição, e a própria empresa – Lena SGPS, uma das maiores no país ligadas ao setor da construção – foram esta terça-feira (dia 7) constituídos arguidos na Operação Marquês, cujo principal arguido é o ex-primeiro-ministro José Sócrates. O fundador do Grupo Lena, Joaquim Barroca, também está entre os arguidos no processo.

Em causa está uma informação enviada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) à Lusa, segundo a qual revela que o Ministério Público (MP) constituiu como arguido Joaquim Paulo da Conceição e a empresa LENA SGPS.

A Operação Marquês conta agora com 25 arguidos – 19 pessoas e seis empresas, quatro das quais pertencem ao universo do Grupo Lena –, estando a decisão do MP de acusar ou arquivar o processo marcada para dia 17.

Entre os arguidos no processo estão, além dos nomes já referidos, Armando Vara, ex-administrador da CGD e antigo ministro socialista, Carlos Santos Silva, empresário e amigo de José Sócrates, João Perna, antigo motorista de José Sócrates, Paulo Lalanda de Castro, do grupo Octapharma, Henrique Granadeiro e Zeinal Bava, ex-administradores da PT, o empresário luso-angolano Hélder Bataglia, o advogado Gonçalo Trindade Ferreira e os empresários Diogo Gaspar Ferreira e Rui Mão de Ferro.

Quem é o Grupo Lena

O Grupo Lena tem as suas origens na década de 1950, tendo nascido em Leiria com atividades ligadas a terraplenagens e construção. “Em 1974 constituiu-se a ‘Construtora do Lena’, empresa a partir da qual pode ser traçada a sua história mais recente”, lê-se no site da empresa.

Mais tarde, em 1998, e “com base no crescimento alcançado na área da construção”, a empresa diversificou as suas atividades e constituiu formalmente o Grupo Lena. “As empresas foram organizadas em Conselhos Estratégicos, o que permitiu harmonizar a diversidade dos negócios existentes no seio do Grupo e dotá-los de princípios de gestão transversais a toda a estrutura”, refere a empresa, salientando que foi também nesse ano que se deu a internacionalização do Grupo Lena.

“Em 2009, inicia-se um profundo processo de reestruturação do Grupo Lena. Para alcançar a visão e os objetivos estratégicos, é implementado em 2010 um novo modelo de governo corporativo”, conclui a empresa presidida por António Barroca.