Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Oeiras é o município que tem os rendimentos mais altos do país

Dados do INE relativos ao IRS revelam que, em 2018, o rendimento bruto mediano em Portugal se situou nos 9.067 euros por contribuinte.

Photo by Markus Spiske on Unsplash
Photo by Markus Spiske on Unsplash
Autor: Redação

Em 2018, o rendimento bruto declarado mediano, depois de descontado o IRS suportado por cada sujeito passivo, foi de 9.067 euros em Portugal, num aumento de 4,4% face ao ano anterior, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Um quinto dos municípios registaram valores medianos do rendimento superiores à referência nacional durante 2018, destacando-se Oeiras com o valor mais elevado do país (13.527 euros) e Resende com o valor mais baixo (5.730 euros).

De acordo com os dados divulgados esta quarta-feira (29 de julho de 2020), com rendimentos medianos mais elevados, superiores à referência nacional, estão os 18 municípios da Área Metropolitana de Lisboa (AML), 18 no Centro, 13 no Alentejo, seis no Norte, cinco na Região Autónoma dos Açores, dois na Região Autónoma da Madeira e um no Algarve.

A AML (10.750 euros), a Região de Leiria (9.285 euros), a Região de Coimbra (9.231 euros), o Alentejo Central (9.194 euros) e a Região de Aveiro (9.159 euros) foram as sub-regiões com rendimentos medianos mais elevados, superiores à referência nacional. Por outro lado, as sub-regiões do Alto Tâmega (7.065 euros), do Tâmega e Sousa (7.410 euros) e do Douro (7.644 euros) apresentaram os rendimentos medianos mais baixos, inferiores a 8.000 euros por sujeito passivo.

63 municípios com valores acima da referência nacional

“O retrato municipal do rendimento bruto declarado mediano deduzido do IRS liquidado por sujeito passivo evidenciava, em 2018, 63 municípios com valores acima da referência nacional e, com valores mais baixos (inferiores a 7.500 euros), um conjunto de municípios sobretudo da região Norte”, lê-se no documento publicado. Já Resende, no distrito de Viseu, voltou a ser a localidade com menor rendimento por contribuinte, com 5.730 euros, em 2018, e 5.481, em 2017.

No total, 31 municípios tinham valores acima de 10 mil euros, mais 16 do que em 2017. E com valores acima de 11 mil euros destacavam-se, em 2018, os municípios de Oeiras (13.527 euros), Lisboa (11.499 euros), Cascais (11.488 euros), Alcochete (11.147 euros) e Entroncamento (11.061 euros).

Em 2018, o rácio P80/P20 do rendimento bruto declarado deduzido do IRS liquidado por sujeito passivo – indicador que traduz o número de vezes que o rendimento do sujeito passivo situado no percentil 80 é superior ao rendimento do sujeito passivo do percentil 20 – era 2,95 em Portugal e 43 municípios apresentaram um valor superior a este referencial. Deste conjunto, 15 registaram também valores medianos de rendimento bruto declarado deduzido do IRS liquidado por sujeito passivo superiores à referência nacional, destacando-se com maior disparidade Lisboa (4,11) e Porto (3,68). Os municípios com menor rácio P80/P20 foram Borba (2,15), Alandroal (2,12) e Vizela (2,05).

Produzidas pelo INE, as estatísticas do rendimento ao nível local em Portugal resultam da análise dos valores do rendimento bruto declarado, do IRS liquidado e da variável derivada do rendimento bruto declarado deduzido do IRS liquidado, por agregado fiscal e sujeito passivo, com base em dados fiscais anonimizados da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) relativos à nota de liquidação do IRS.