Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Estoril Sol Residence, o edifício de luxo mais investigado de Portugal

Wikimedia commons
Wikimedia commons
Autor: Redação

O Estoril Sol Residence, luxuoso bloco de apartamentos na marginal que liga Lisboa e Cascais e atraiu como compradores sobretudo angolanos e gente ligada ao futebol, será talvez o edifício mais investigado pelas autoridades portuguesas nos últimos anos. E o vice-presidente de Angola, Manuel Vicente, é um dos muitos proprietários de casas naquele prédio suspeitos de branqueamento de capitais. 

Manuel Vicente, segundo conta a Visão, tornou-se suspeito deste crime, depois de ter adquirido um imóvel no 9º andar, através de três sociedades offshore que também terão servido para comprar outros dois apartamentos no mesmo local para os seus principais generais: um para o general Dino, outro para Kopelipa.

Casas de luxo vendidas a altas figuras de angola

O inquérito do Ministério Público, de acordo com a revista, nasceu de uma queixa da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), que investigava suspeitas de branqueamento de capitais por parte do Banco Invest e um fundo imobiliário chamado Fundbox. Tudo isto porque o fundo tinha vendido apartamentos a altas figuras do regime angolano, logo “Pessoas Politicamente Expostas”, e não tinha comunicado as transações ao regulador dos mercados.

Manuel Vicente teria pago cerca de 3,8 milhões de dólares pelo seu 9º andar com vista privilegiada sobre o mar: cerca de 2,6 milhões em março de 2011 através de uma conta sua no BCP, e o restante, entre julho de 2007 e agosto de 2008, através das offshore Damer Industries, Delta Shipping Overseas UK e Portmill. Estas mesmas sociedades tinham servido para comprar os apartamentos do general Leopoldino Fragoso do Nascimento, conhecido por “Dino”, e do general Manuel Hélder Vieira Dias, conhecido por “Kopelipa”.

Inquérito conduzido por Orlando Figueira

José Pedro Morais Júnior, ex-ministro das Finanças de Angola, Luísa Giovetty, mulher de “Kopelipa”, o ex-ministro da Comunicação Manuel António Rabelais, e o então presidente do BES Angola, Álvaro Sobrinho, eram outras das Pessoas Politicamente Expostas que teriam comprado apartamentos no Estoril Sol Residence. Além destes angolanos, constaria da lista um russo: Vladimir Sergeenko, ex-governador da Federação Ru

As suspeitas, indica ainda a Visão, deram origem a um inquérito que foi conduzido por Orlando Figueira, o procurador que chegou a estar em prisão preventiva e na semana passada foi acusado de quatro crimes, entre eles corrupção passiva, por alegadamente ter recebido 760 mil euros de Manuel Vicente para arquivar processos que visavam o atual vice-presidente angolano e à data presidente da petrolífera Sonangol. Um dos processos que o Ministério Público considera ter sido oportunamente arquivado por Orlando Figueira foi precisamente este.