Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Programa Revive Natureza arranca com 96 imóveis - alguns são antigas casas florestais

Photo by Felicia Birloi on Unsplash
Photo by Felicia Birloi on Unsplash
Autor: Redação

O Governo já deu luz verde ao Revive Natureza, um programa que pretende reabilitar imóveis devolutos do Estado - alguns dos quais foram antigas casas dos guardas florestais - para exploração turística. A iniciativa, que pretende dar uma segunda a vida ao património sem uso situado em áreas protegidas ou de floresta, vai arrancar com 96 imóveis.

O processo do Revive Natureza será diferente do Revive. Os imóveis serão integrados num Fundo Imobiliário Especial, que vai promover a sua reabilitação e exploração turística, através de concursos, que começarão a ser lançados no início do próximo ano. “O fundo terá capacidade financeira para apoiar o financiamento dessa recuperação”, disse. O programa vai arrancar com 96 imóveis, alguns do domínio privado, outros do domínio público, alguns deles localizados até em terrenos baldios.

“O programa Revive Natureza visa permitir a recuperação e a exploração e a colocação em utilização de um conjunto de imóveis que são do Estado e que se encontram dispersos pelo território”, referiu o Ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros que aprovou o diploma.

“Estamos a falar de antigas casas de guardas florestais, de postos da guarda fiscal e de outros pequenos imóveis dispersos pelo território inseridos em localizações que são notáveis pelas suas características e património natural de que dispõem”, acrescentou ainda. Trata-se de “pequenos imóveis de baixo valor” e a “forma de exploração será mais reduzida”, segundo o governante.

Sem revelar a lista, Siza Vieira adiantou que o objetivo do Revive Natureza é o da “valorização e criação de emprego nas pequenas comunidades”. O arranque do programa foi sendo sucessivamente adiado, sucessivos atrasos, estando inicialmente previsto para o final de fevereiro, depois para março e, posteriormente, para junho.