Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Antiga colónia de férias da CUF em Colares vai ser convertida em hotel de luxo

Promotora Quinta do Mar prevê investir 14 milhões de euros no projeto, que está em consulta pública e deverá ser realizado a partir de 2021.

Quinta do Mar
Quinta do Mar
Autor: Redação

Onde antes do 25 de abril iam de férias os filhos dos operários e funcionários da Companhia União Fabril de Alfredo da Silva, está agora previsto nascer um novo hotel de luxo. A promotora Quinta do Mar - Empreendimentos Turísticos tem como objetivo reconverter a antiga colónia de férias da CUF em Colares, no concelho de Sintra, num hotel de cinco estrelas, prevendo realizar um investimento de 14 milhões de euros, a partir do próximo ano.

A nova unidade turística contará com 89 quartos, todos nos edifícios já existentes, sendo que o projeto contempla ainda um novo edifício construido de raiz onde será implementado um spa com piscina coberta de 25 metros, sauna e ginásio.  A área de implantação do empreendimento, que está em consulta pública até ao próximo dia 12 de maio, é de 6.069,27 metros quadrados (m2), sendo a área de construção de 7.632,67 m2.

A descrição do projeto no relatório do estudo de impacte ambiental (EIA) refere que a promotora pretende "respeitar e potenciar o conjunto de edifícios pertencentes à antiga Colónia de Férias da CUF, cuja coerência formal e linguagem arquitetónica serão preservadas. Os edifícios serão adaptados por forma a receber as unidades de alojamento e restante programa hoteleiro, sem que sejam alteradas as volumetrias originais".

A CUF - Colónia de Férias foi construida em 1950 e destinava-se a receber como colónia de férias os filhos dos operários e funcionários da Companhia União Fabril de Alfredo da Silva. Após o 25 de abril de 1974, a propriedade deixou de funcionar como colónia de férias e passou a acolher "eventos lúdico-culturais periódicos", tendo sido redenominada "Quinta do Mar".

O projeto foi assinado pelo arquiteto António Lino que, refere a descrição do projeto, "aplicou o convencionalismo urbano da sua formação académica em pleno ecossistema natural, assim estilizando a "Casa Portuguesa" ruralizante e articulando o compositivismo monunentalista com a prática de desenho classicista".