Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Casa fria? Dicas para a tornar mais eficiente e confortável e... combater a pobreza energética

Para muitos portugueses estar em casa não é sinónimo de estar quente e confortável, recorda a Deco.

Khachik Simonian on Unsplash
Khachik Simonian on Unsplash
Autor: Redação

A ineficiência energética chega a casa de muitos portugueses, que nesta altura fria do ano, e tendo em conta que passam ainda mais tempo “fechados” no lar devido ao confinamento em vigor em tempos de pandemia da Covid-19, não conseguem aquecer a casa ou torná-la mais confortável. Neste artigo, preparado pela Deco – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor para o idealista/news, mostramos como combater a pobreza energética existente em muitas habitações do país.

A minha casa é fria. As janelas são antigas e deixam entrar muito vento e ar frio. Assim, para aquecer a casa tenho de ligar durante muito tempo o aquecimento, tornando-se a fatura da eletricidade incomportável. Sei que existem apoios para melhorar esta situação, mas não sei a quem me dirigir. Podem esclarecer-me?

Desde 5 de novembro que a Deco tem um Gabinete de Aconselhamento de Energia (GAE) que poderá ajudar-te. Com este gabinete, a Deco presta-te aconselhamento personalizado e detalhado sobre energia, em especial para pessoas que estejam em situação de pobreza energética.

Com a chegada do tempo frio, e com a atual crise pandémica, muitos consumidores procuram resguardar-se e ficar mais tempo em casa. Mas, e como relatas, para muitos portugueses estar em casa não é sinónimo de estar quente e confortável, aliás Portugal é o quinto país europeu onde os cidadãos têm mais dificuldades em aquecer as suas casas: 19% da população tem dificuldades financeiras em manter a habitação a temperaturas adequadas ao inverno. 

As más condições de construção dos edifícios são a causa principal desta ineficiência energética, mas os preços elevados da energia são outro dos factores responsáveis pela pobreza energética.

Existem medidas que poderás implementar em casa e que podem ajudar a melhorar o desempenho energético. É certo que algumas  exigem um investimento mais elevado (exemplo: substituir janelas ou melhorar o isolamento de paredes), porém outras implicam um custo reduzido, como seja a calafetagem de janelas e portas. Mesmo para os investimentos mais elevados, existem programas de apoio a que poderás recorrer, como é o caso do Programa Edifícios Mais Sustentáveis, do Fundo Ambiental. No GAE poderemos explicar-te melhor como poderás pedir este apoio.

Por outro lado, podemos verificar contigo se o tarifário que tens contratado é o mais adequado ao teu consumo. Há mudanças tarifárias e até de comercializador que poderás fazer que podem trazer alguma poupança. Se precisas de ajuda neste domínio, informa-te connosco e quando estiveres a falar com o técnico é importante que tenhas contigo uma fatura recente de eletricidade e/ou gás. 

No artigo da próxima semana explicaremos tudo sobre a tarifa social. Fica atento.

Conta com o apoio do GAE. Agenda já uma sessão de aconselhamento com o Gabinete de Aconselhamento de Energia da Deco, uma atividade do projeto – STEP (Soluções para Combater a Pobreza Energética), financiado pelo programa H2020 da UE, através do número de telefone 213 710 200 ou do email energia@deco.pt.