Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Novo Código do Trabalho em vigor a 1 de outubro – o que vai mudar para trabalhadores e empresas

Photo by Clark Young on Unsplash
Photo by Clark Young on Unsplash
Autor: Redação

O Novo Código do Trabalho vai ter implicações diretas no mercado laboral, tanto para as empresas como para os trabalhadores. O diploma, promulgado pelo Presidente da República há duas semanas, foi esta quarta-feira  (4 de setembro de 2019) publicado em Diário da República pelo Executivo de Costa. As alterações legislativas, que nunca reuniram consensos na esquerda, – foram aprovadas no Parlamento apenas com o voto favorável do PS –, entram em vigor a 1 de outubro.  

As alterações ao Código Laboral resultam de um longo e conturbado processo de negociações. Acabaram por dividir a esquerda, afastando o PS dos seus parceiros da geringonça. O diploma, que teve origem numa proposta do Governo formalizada há um ano, foi aprovado com os votos a favor do PS, a abstenção do PSD e do CDS, e votos contra do BE e do PCP, que anunciaram o pedido de fiscalização sucessiva junto do Tribunal Constitucional (TC).

Marcelo decidiu não enviar o documento para o TC, justificando a decisão de promulgação com o facto das alterações terem por base um acordo de concertação social “que antecedeu e está subjacente ao presente diploma”, ponderando ainda “os sinais que se esboçam de desaceleração económica internacional e sua virtual repercussão no emprego em Portugal”.

Entre as principais mudanças está o polémico alargamento do período experimental para jovens à procura do primeiro emprego e desempregados de longa duração, que vai passar de 90 para 180 dias. Esta foi, de resto, uma das medidas que mais contribuiu para afastar os parceiros de esquerda. Mas há mais mudanças às quais os patrões e trabalhadores devem estar atentos. Recordamos as principais alterações que não deves perder de vista.

  • Taxa de rotatividade a partir de 2021

É criada uma contribuição adicional por rotatividade excessiva dirigida aos empregadores que ultrapassem a média anual de contratos a termo prevista para cada setor.

A taxa será aplicada sobre a massa salarial dos trabalhadores com contratos a termo, sendo progressiva até 2%, penalizando mais as empresas que mais recorrem aos contratos a termo e mais se desviem do indicador setorial anual que será publicado no primeiro trimestre do ano civil a que respeita.

Esta taxa produz efeitos em 1 de janeiro de 2020 e será pela primeira vez paga em 2021, sendo aplicada quando as empresas ultrapassarem a média de contratos a termo prevista em cada setor e será variável: quanto maior o número de trabalhadores a prazo a empresa tiver acima dessa média setorial, maior será a penalização.

  • Período experimental duplica

Para os desempregados de longa duração e jovens à procura do primeiro emprego, o período experimental é alargado de 90 para 180 dias. Esta foi uma das medidas que constava da proposta original do Governo, que se manteve no texto final e mais contribuiu para afastar os parceiros de esquerda.

  • Duração máxima dos contratos

A duração máxima dos contratos a termo certo é reduzida para dois anos (atualmente é de três anos) e a dos contratos a termo incerto é reduzida dos atuais seis anos para um máximo de quatro anos.

  • Limite às renovações dos contratos

A lei já limita a um máximo de três as renovações dos contratos a termo, mas a nova regra vem impor que a duração total das renovações não pode exercer a duração do período inicial do contrato, ou seja, a soma das renovações não pode contemplar um prazo mais longo do que o previsto no contrato inicial.

A contratação a prazo para postos de trabalho permanentes fica, por outro lado, limitada aos desempregados de muito longa duração (sem trabalho há mais de 24 meses), sendo eliminada a possibilidade de os jovens à procura do primeiro emprego e dos desempregados de longa duração (há mais de 12 meses) também poderem ser abrangidos.

  • Contratos de muito curta duração em todos os setores

Os contratos de muito curta duração são alargados de 15 para 35 dias e a sua utilização é generalizada a todos os setores, deixando de estar limitada à agricultura e turismo, por exemplo. Assim, daqui em diante, é possível recorrer a estes contratos (que não necessitam de ser escritos) alegando acréscimo excecional de atividade ou alterações de ciclo anual por motivos excecionais imputáveis ao mercado.

  • Trabalho temporário com novos travões

O Código do Trabalho vai prever um limite de renovações até seis vezes dos contratos de trabalho temporário, restringindo as situações em que esta norma pode ser afastada a casos de doença, acidente, licenças parentais e situações análogas.

  • Bancos de horas grupal

É criada a figura do banco de horas grupal, mecanismo que pode ser aplicado ao conjunto de trabalhadores de uma equipa, secção ou unidade económica desde que seja aprovado em referendo pelos trabalhadores.

Os bancos de horas individuais acabam, mas o novo diploma permite que os que já existem se possam manter pelo prazo máximo de um ano após a entrada em vigor das novas regras.