Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Rede Sitio alarga espaços de trabalho partilhados no Porto e prepara novas aberturas no país

Apesar da fase de contraciclo económico, a empresa mantém a estratégia de expansão da rede e está a investir atualmente.

Grupo Himo
Grupo Himo
Autor: Elisabete Soares (colaborador do idealista news)

A rede Sitio, que opera no desenvolvimento de espaços de trabalho partilhados e que pertence ao grupo Himo, abriu dois novos espaços ‘work’ no Porto com capacidade para acolher cerca de uma centena de pessoas. Ao idealista/news, Miguel Correia, Head of Business Developement da Sitio, conta que os dois espaços do Porto “estão em pleno funcionamento, apresentam alguma procura e já tem alguns contratos fechados”. E revela que “no Porto temos já contratualizado um espaço bandeira, numa localização emblemática do Porto, para abertura no início de 2022”.

Os novos espaços em funcionamento - o Sitio Costa Cabral, com 330 metros quadrados (m2), e o Sitio Campo Alegre, com 520 m2 - juntam-se ao Sitio Work Bom Sucesso. Localizado perto da Rotunda da Boavista, este é um centro de negócios num piso, com um total de três escritórios, uma sala de reuniões, espaços comuns e um total de 28 postos de trabalho.

Sitio Costa Cabral, Porto. / Grupo Himo
Sitio Costa Cabral, Porto. / Grupo Himo

Atualmente, a rede Sitio é constituída por 21 unidades, distribuídos por 10 espaços de trabalho e oito residências (conceito living), em Lisboa, e três espaços de trabalho, no Porto.

Sobre o funcionamentos dos espaços de trabalho nos períodos de confinamento - em consequência da pandemia provocada pela Covid-19 - tanto em Lisboa, como no Porto, Miguel Correia indica que atingiram uma ocupação de 40-50%, distante dos 90% de ocupação em pré pandemia”.

Investimento de um milhão de euros em 2020 e 800 mil em 2021

Em 2020, a Sitio investiu cerca de um milhão de euros na abertura de três espaços, dois no Porto e um em Lisboa. Foi o caso do espaço de cowork que abriu no Centro de Escritórios das Laranjeiras, em Sete Rios, com capacidade para 300 postos de trabalho.

Apesar da fase de contraciclo económico, a empresa mantém a sua estratégia de expansão da rede e está a investir atualmente 800 mil euros, tendo prevista para este ano a expansão dos espaços ‘work’ para Setúbal - com abertura agendada para setembro -, bem como a abertura de um quarto espaço de trabalho no Porto.

“O investimento em novas unidades teve como objetivo responder à procura por parte das empresas por soluções que permitam a mobilidade e o trabalho remoto dos seus colaboradores devido à pandemia”, destaca Miguel Correia.

Grupo Himo
Grupo Himo

“O projeto de Setúbal está já em obra, com expectativa de abertura em setembro. Com cerca de 1.100 m2 e 130 postos de trabalho, fica localizado no centro histórico de Setúbal, numa das principais avenidas”, precisa o responsável.

Em Lisboa, na região metropolitana, a Sitio tem “em processo de análise mais do que um espaço, mas acima de tudo estamos focados em melhorar e adaptar os existentes às novas necessidades e realidade”.

Expansão em cidades de média dimensão

Miguel Correia refere que o plano de expansão prevê a existência de espaços da Sitio em cidades de média dimensão que complementem a estratégia da rede de dispersão geográfica e proximidade de todos os seus clientes. “Estamos a analisar possíveis aberturas em cidades como Braga, Coimbra, Torres Vedras, Faro e São Miguel”, refere.

Sitio Costa Cabral, Porto. / Grupo Himo
Sitio Costa Cabral, Porto. / Grupo Himo

Os espaços de trabalho contam com áreas de trabalho flexíveis, salas de reuniões para uso comum, cozinhas e food courts equipados e zonas lounge.

No âmbito do conceito para o alojamento, designado por Living, a Sitio está a investir em três novos espaços em Lisboa.

De acordo com Miguel Correia, o grupo Himo investiu recentemente também na organização e consolidação interna, com a criação de sociedades distintas para cada negócio e reforço de lideranças exclusivas para cada uma das marcas que desenvolve. 

Além da Sitio - que atua na área de espaços de cowork e no segmento de alojamento -, o grupo Himo é constituído pela empresa Feitoria, focada na gestão de património, pela Roots, marca dedicada à promoção imobiliária e pela Habita, vocacionada para a mediação imobiliária.

Ocupação dos espaços de trabalho entre 40 a 50%

“Atingimos no período mais critico da pandemia, no segmento work, um mínimo de 40-50% e no segmento live 60-70%, estando já em plena recuperação, mas ainda distante dos 90% de ocupação em pré pandemia”, refere o responsável.

Acrescenta que, com a pandemia, a Sitio sentiu “um impacto direto na dificuldade que as empresas têm em continuar a fazer frente aos custos fixos, com a diminuição total ou parcial das suas operações”. Ainda assim, garante que “através de análises caso a caso e dando alguns benefícios aos nossos clientes para facilitar a sua permanência na rede, temos conseguido atenuar as dificuldades do momento”.

Sitio Costa Cabral, Porto. / Grupo Himo
Sitio Costa Cabral, Porto. / Grupo Himo

Nos períodos de confinamento, os espaços da Sitio “encontram-se em pleno funcionamento, garantimos um ambiente de trabalho seguro, a cumprir com a legislação, normas e reforço de limpeza e desinfeção” refere Miguel Correia. Este facto levou “à frequência de alguns clientes nos nossos espaços, mesmo em fase de confinamento”, frisa.

Pandemia trouxe também oportunidades

A Covid-19 tem tido, naturalmente, impacto nos espaços de work do Sitio, pois apesar da menor frequência dos membros pelas imposições de teletrabalho, a limpeza foi redobrada para que os espaços se mantenham abertos cumprindo com todas as regras de higiene e segurança, contextualiza o responsável.

Por um lado, os eventos de comunidade passaram a ser mais restritos ou em alguns casos inexistentes, o que levou a empresa a adaptar-se a esta nova realidade para se manter próximos dos membros. Mas por outro, a pandemia veio trazer também uma oportunidade.  “Muitas empresas deixaram de ter necessidades de escritórios de maiores dimensões e optaram pela abrangência geográfica, flexibilidade e mobilidade da nossa rede”, explica Miguel Correia.

Sitio Costa Cabral, Porto. / Grupo Himo
Sitio Costa Cabral, Porto. / Grupo Himo

As novas tendência na procura de escritório

Na opinião do responsável da Sitio, os novos clientes procuram espaços flexíveis, com todos os serviços incluídos e que lhes permita otimizar o custo (partilhado vs. dedicado) e onde possam estabelecer sinergias com a comunidade presente na rede.

Na sua opinião, “procuram também mobilidade e saber que podem contar com todos os espaços da nossa rede como um local para trabalhar ou reunir com parceiros/clientes/colaboradores nas nossas diferentes geografias”.

Simultaneamente, a escolha recai também por soluções que apresentem serviços adequados à ausência física do escritório como, por exemplo, receção e gestão de correspondência, morada fiscal da empresa e acesso a salas de reuniões.

Sitio Bom Sucesso, Porto. / Grupo Himo
Sitio Bom Sucesso, Porto. / Grupo Himo

“Acreditamos que as alterações às dinâmicas de trabalho, que inicialmente se pensavam temporárias, na verdade serão significativas e isso impactará muito os escritórios, sendo que a norma será um equilíbrio entre trabalho presencial e remoto e isso fará com que as empresas procurem espaços diferentes”, remata.