Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Bancos chamados a entrar no IFRRU com mínimo de 1.400 milhões

Fundo, que reúne verbas públicas e privadas, vai apoiar a reabilitação urbana e eficiência energética
Fundo, que reúne verbas públicas e privadas, vai apoiar a reabilitação urbana e eficiência energética
Autor: Redação

Instrumento Financeiro para a Reabilitação Urbana (IFRRU), que se vai destinar a apoiar a reabilitação urbana e eficiência energética, está cada vez mais perto de arrancar. Agora, o Governo prepara-se para lançar o concurso para encontrar os parceiros financeiros privados do fundo, que vai contar com 1.400 milhões de euros de verbas públicas nacionais e de organismos internacionais. O objetivo é captar um valor semelhante junto da banca.

O IFRRU reúne 703 milhões de euros públicos, entre os quais 103 milhões provenientes do Portugal 2020, uma contrapartida pública nacional de 20 milhões de euros, 500 milhões negociados com o BEI e 80 milhões negociados com o Banco de Desenvolvimento do Conselho da Europa. Os parceiros financeiros deverão alavancar este montante em, pelo menos, igual montante.

O processo de seleção das entidades financeiras privadas deverá decorrer ainda no primeiro semestre do ano, de forma a que os financiamentos aos proprietários estejam disponíveis na segunda metade do ano.

"O concurso agora lançado incita as entidades financeiras a apresentarem as suas melhores propostas, o que favorece os potenciais investidores, pois permite selecionar as condições de financiamento mais interessantes. Exige, também, elevados níveis de desempenho das entidades gestoras financeiras seleccionadas, pois foram previamente estabelecidas metas anuais para a concessão de financiamentos", explica a estrutura de gestão do IFRRU em comunicado.

O IFRU vai apoiar obras de reabilitação integral de edifícios com maiores necessidades de intervenção, nomeadamente com idade igual ou superior a 30 anos ou em mau estado de conservação, localizados em áreas de reabilitação urbana que tenham sido definidas pelos municípios.