Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Lançado concurso para construção do novo Hospital Central do Alentejo – investimento de 150 milhões

Arseny Togulev/Unsplash
Arseny Togulev/Unsplash
Autor: Redação

Luz ao fundo do túnel para o novo Hospital Central do Alentejo, em Évora, que deverá começar a funcionar até 2023. O concurso público internacional para a empreitada de construção foi lançado esta quarta-feira (14 de agosto de 2019) pela Administração Regional de Saúde (ARS). Em causa está um investimento superior a 150 milhões de euros. “[O hospital] será um motor de desenvolvimento regional e de coesão social”, diz o presidente da ARS do Alentejo, José Robalo.

Segundo o anúncio do concurso, o valor do preço base para a “realização dos trabalhos, prestações de serviço e fornecimentos para a empreitada de construção do novo hospital” é de 150.421.727 euros, sendo que o hospital – a construir na periferia de Évora – deverá entrar em funcionamento até dezembro de 2023.

A futura unidade hospitalar vai dar resposta às necessidades de toda a população do Alentejo, com uma área de influência de primeira linha que abrange cerca de 200 mil pessoas e, numa segunda linha, mais de 500 mil pessoas, escreve a Lusa.

O prazo de execução da obra é de 1.095 dias, ou seja, três anos, e a data limite para a apresentação de propostas é de 90 dias. De referir que o montante máximo fixado de 150 milhões de euros + IVA “é financiado em 40 milhões de euros por fundos europeus” e que, com a entrada em funcionamento da nova unidade, o atual edifício do Hospital do Espírito Santo de Évora “deixa de estar afeto à sua atividade, devendo esta entidade fazer cessar todos os instrumentos jurídicos que sustentam a ocupação dos imóveis”.

351 camas e 11 blocos operatórios 

O novo Hospital Central do Alentejo vai ter um edifício que ocupará uma área de 1,9 hectares e que terá uma lotação de 351 camas em quartos individuais, que pode ser aumentada, em caso de necessidade, até 487 camas.

A infraestrutura contará com 11 blocos operatórios, três dos quais para atividade convencional, seis para atividade de ambulatório e dois para atividade de urgência, cinco postos de pré-operatório e 43 postos de recobro.

“Um motor de desenvolvimento regional”

Para José Robalo, presidente da ARS do Alentejo, o novo Hospital Central do Alentejo “será um motor de desenvolvimento regional e de coesão social”.

De acordo com o responsável, o lançamento do concurso público para a empreitada é “mais uma etapa decisiva” para que “o novo Hospital Central do Alentejo se torne uma realidade em dezembro de 2023”. “Esta é uma ambição de todos os profissionais do [atual] hospital de Évora e de toda a população do Alentejo, sendo complementar às restantes unidades de saúde da região”, referiu.