Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Conclusão das obras de construção da barragem e da central do Alto Tâmega a cargo da Conduril

Construtora portuguesa foi contratada pela energética espanhola Iberdrola. Obras estavam paradas há mais de um ano.

Iberdrola
Iberdrola
Autor: Redação

A energética espanhola Iberdrola, que tem um novo escritório em Lisboa, no Parque das Nações, retomou as obras de construção da barragem e da central do Alto Tâmega. Os trabalhos, que tinham sido suspensos em 2019, foram adjudicados à portuguesa Conduril. 

Segundo o Jornal de Negócios, que cita fonte oficial da empresa espanhola, desde agosto do ano passado que as obras estavam suspensas por tempo indeterminado, depois do consórcio da Mota-Engil, Acciona e Edivisa ter recusado continuar sem que fossem feitas correções ao projeto pela Iberdrola que assegurassem condições de segurança. Uma polémica que chegou aos tribunais, tendo a elétrica lançado um novo concurso no ano passado. 

A Iberdrola adianta, agora, que a retoma dos trabalhos começou em julho, em plena pandemia da Covid-19, “no mais estrito respeito pelas normas de segurança no trabalho e tendo em conta o plano de contingência adotado” pela empresa.

De acordo com a publicação, apesar do diferendo entre a Iberdrola e o agrupamento da Mota-Engil ter chegado aos tribunais, as duas partes estão a procurar chegar a um entendimento. 

De referir que o consórcio da Mota-Engil, Acciona e Edivisa prossegue com uma outra obra para a Iberdrola naquele mesmo complexo hidroelétrico: a construção do túnel de adução da central de Gouvães.

A barragem do Alto Tâmega é um dos três aproveitamentos que a Iberdrola está a construir no Norte do país. O Sistema Eletroprodutor do Tâmega, como foi denominado, contempla um investimento superior a 1,5 mil milhões de euros até 2023, data prevista para a conclusão da barragem do Alto Tâmega, escreve a publicação, salientando, citando a mesma fonte oficial da Iberdrola, que as restantes duas centrais hidroelétricas – de Gouvães e Daivões – “entrarão em funcionamento em 2021, conforme previsto”.