Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Holding MGP fecha venda de 23% da Mota-Engil aos chineses da CCCC

A Mota Gestão e Participações (MGP) reduziu a sua posição na Mota-Engil para 40,09%.

Photo by bovin wook on Unsplash
Photo by bovin wook on Unsplash
Autor: Redação

A Mota-Engil deu mais um “passo” previsto no acordo de parceria estratégica e de investimento estabelecido com a China Communications Construction Company (CCCC). A Mota Gestão e Participações (MGP), holding controlada pela família Mota na construtora, fechou esta segunda-feira (10 de maio de 2021) o acordo para a venda de 55 milhões de ações (cerca de 23% do capital atual) ao preço de 3,08 euros por ação, um investimento que ronda os 169,4 milhões de euros, segundo o comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“Concluiu-se ontem [segunda-feira] a alienação de 55 milhões de ações pelo seu acionista de referência, Mota Gestão e Participações (…) à Epoch Capital Investement (…) e, conforme também previsto no acordo, a MGP alienou à Epoch 47.810.041 direitos de subscrição de novas ações, permitindo assim que esta empresa subscreva 44.426.974 novas ações no âmbito da Oferta de Subscrição em curso”, lê-se no documento.

“Com mais este passo, aproxima-se do fim o processo de concretização integral do acordo, o que deverá ocorrer, de acordo com calendário disponível no prospeto publicado no passado dia 3, até ao final do corrente mês de maio”, refere.

A holding comunicou também à CMVM que comprou 16.078.590 ações da Mota-Engil, “das quais 764.140 ações adquiridas a outros familiares de acionistas da FM – Sociedade de Controlo, SGPS, S.A. (entidade detentora de 100% do capital social da MGP)”. O preço foi o acordado com a CCCC (3,08 euros).

Depois destas transações, a MGP passará a deter 40,09% do capital (95.226.563). Segundo a informação remetida ao mercado, antes da operação de alienação de direitos de voto, a holding detinha 56,48% de direitos de voto associados a ações da empresa de construção.

Recorde-se que o aumento de capital da Mota Engil – reservado a acionistas existentes no montante de até 150 milhões de euros – que vai permitir a entrada no capital da CCCC também arrancou na segunda-feira e decorre até dia 25 de maio.