Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Novo escândalo de corrupção rebenta agora na expropriação de terrenos para auto-estradas da Brisa

Autor: Redação

A Policia Judiciária (PJ) do Porto está a investigar mais de 100 expropriações amigáveis de terrenos por parte da Auto-Estradas do Douro Litoral (AEDL), em nome do Estado. As autoridades suspeitam de crime num esquema que envolve engenheiro da Brisa e terá rendido 13 milhões de euros a empresário da construção civil.

Os inspetores da PJ, segundo escreve o Jornal de Notícias, já efetuaram buscas domiciliárias aos três principais suspeitos num processo em que se investigam indícios de corrupção e participação económica em negócio. Um dos visados é um engenheiro da Brisa, que, até janeiro de 2013, foi o coordenador do Núcleo de Expropriações Norte da Brisa - Engenharia e Gestão S. A..

João Malheiro Reymão foi quem, devido ao seu cargo, entre 2008 e 2012, representou a AEDL nas escrituras de expropriação por acordo com proprietários de terrenos destinados às autoestradas A32, A41 e A43, que atravessam os concelhos de S. João da Madeira, Feira, Espinho, Gaia, Gondomar, Valongo e Paredes.

Por sua vez, a AEDL atuou nas expropriações em nome do Estado, ao abrigo de um contrato de concessão que ainda hoje vigora. De acordo com informações recolhidas pelo diário, estão em causa suspeitas de que foi pago dinheiro a mais pelas expropriações por via de um esquema fraudulento.

A PJ considera existirem indícios de que o engenheiro da Brisa estaria combinado com dois grupos de indivíduos que adquiriram mais de uma centena de parcelas de terreno destinados a expropriação e depois venderam-nas à AEDL, obtendo lucros chorudos.