Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Pousadas da Juventude voltam ao mercado: propostas para 12 concessões até ao final deste mês

Autor: Redação

Após o fiasco da primeira fase do concurso para concessionar 14 Pousadas da Juventude - que apesar de 100 interessados, teve apenas duas ofertas vencedoras -, o Governo mantém o interesse em entregar a privados a gestão das restantes 12 unidades. Para isso, o Executivo lançou um novo concurso público, cujo prazo para a apresentação de propostas termina no final deste mês, e está também em conversações diretas com várias autarquias para outras Pousadas.

“Globalmente, os requisitos de ordem programática, técnica e financeira são os mesmos (do primeiro concurso que terminou em junho). As alterações são pontuais.”, adianta o presidente da direção da Movijovem, Ricardo Araújo, ao Público.

A entidade pública gere, atualmente, a rede nacional composta por 40 pousadas e é detida em 80% pelo Instituto Português da Juventude e em 20% pela Associação de Utentes das Pousadas da Juventude.

A entrada de privados na gestão é um objectivo do Governo, que tem como meta concessionar um total de 25 unidades este ano. Além dos concursos públicos, a Movijovem, segundo conta o jornal, está em conversações diretas com as câmaras municipais de Setúbal, Oeiras, Vila Real e Braga para que passem a administrar outras quatro pousadas.

O Inatel vai gerir a pousada de São Pedro do Sul, enquanto a Observar o Futuro ganhou a concessão da de Aljezur. Estas são as primeiras entidades privadas a serem selecionadas para gerir duas das Pousadas da Juventude incluídas numa lista de 14.

Das 40 unidades a funcionar em Portugal, 31 dão prejuízo, apresentam baixas taxas de ocupação e, algumas, precisam de obras urgentes, relata ainda o diário. 

Com um passivo de 9,7 milhões de euros, o Público diz que as Pousadas de Portugal passaram de prejuízos de mais de 1,7 milhões de euros em 2008, para lucros de 200,9 mil euros em 2014 devido a um profundo corte na despesa, sobretudo com trabalhadores. Os gastos com pessoal desceram de 5,7 milhões (2009) para 3,9 milhões de euros em 2014.