Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Lisboa: antigo armazém em Alvalade é a nova "casa" do Observador

A nova redação do jornal / JLL
A nova redação do jornal / JLL
Autor: Redação

O bairro lisboeta de Alvalade foi escolhido pelo jornal digital Observador para instalar a sua nova sede. O antigo edifício industrial – albergava um armazém – foi transformado num espaço de escritórios diferenciador que acolhe atualmente mais de 100 pessoas. O projeto tem o “selo” da Tétris, uma empresa do grupo JLL.

O grupo de media pretendia um espaço flexível, confortável e moderno, capaz de acomodar as necessidades da equipa, em constante crescimento, mas simultaneamente inovador e que fosse uma imagem de marca do jornal, segundo o comunicado da consultora. O local escolhido acabou por ser Alvalade, nomeadamente na rua do Centro Cultural.

Uma zona de estar e uma sala de reuniões / JLL
Uma zona de estar e uma sala de reuniões / JLL

Apesar da antiga génese industrial, o edifício com 2.280 metros quadrados (m2) tem apenas dois pisos acima do solo, e possibilitou o desenvolvimento de áreas de open space bastante amplas.

“Nas nossas antigas instalações já sentíamos muitas dificuldades para poder implementar boa parte das nossas ideias de desenvolvimento do jornal. Por isso, iniciámos um processo de procura no qual, com a ajuda da JLL acabámos por descobrir este armazém que imediatamente nos apaixonou. Era um espaço com 1.140 m2 por piso, completamente aberto e com apenas dois pilares no meio e, portanto, soubemos logo que era para ali que queríamos ir”, comenta o Diretor-Geral do Observador, Rudolf Gruner.

A entrada do escritório / JLL
A entrada do escritório / JLL

O projeto de arquitetura assinado pela Tétris, empresa do grupo JLL, transformou um armazém desprovido de qualquer infraestrutura que respondesse às necessidades de um escritório atual, numa sede de caráter moderno e contemporâneo, criando condições espacialmente funcionais do ponto de vista acústico e térmico.

No piso superior, funciona agora a redação do jornal que se desenvolve numa área de open space, incluindo também área de estúdios de produção, de rádio, vídeo, reggie, auditório e salas de reunião. Parte do primeiro piso foi destinado ao estacionamento.