Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Ocupação de escritórios dispara em Lisboa e Porto face ao ano passado

Foram arrendados 8.000 m2 e 34.989 m2 de escritórios em janeiro e fevereiro de 2020 no Porto e em Lisboa, respetivamente.

Portuguese Gravity on Unsplash
Portuguese Gravity on Unsplash
Autor: Redação

Foram ocupados 8.000 metros quadrados (m2) de escritórios no Porto nos dois primeiros neses de 2020, o que representa um crescimento de 95% face aos 4.111 m2 arrendados no mesmo período do ano passado. Já em Lisboa, foram ocupados 34.989 m2 de escritórios em janeiro e fevereiro, bem mais que os 14.502 m2 “entregues” no período homólogo. 

Em causa estão dados que constam no Office Flashpoint, que é emitido todos os meses pela consultora JLL e que passa agora a analisar também o mercado de escritórios da Invicta.

“Até à data, registam-se 7 operações neste mercado, com uma área média de 1.143 m2”, refere a JLL, salientando que “o mês de fevereiro contribuiu com apenas 468 m2 para a atividade anual no Porto, contabilizando duas operações de pequena dimensão (cerca de 230 m2 cada)”. Trata-se da instalação da Baiatech no Centro Empresarial Lionesa e da Devere na Arrábida Lake Towers.

No que diz respeito ao mercado de escritórios de Lisboa, foram ocupados 34.989 m2 nos dois primeiros meses do ano, mais que duplicando os 14.502 m2 registados em igual período do ano passado. No total de janeiro e fevereiro registaram-se 21 operações com uma área média de 1.666 m2 por operação. De referir ainda que só em fevereiro foram ocupados 20.927 m2 de escritórios, num total de 14 operações, mais 49% face a janeiro e um valor que “mais que quadruplica a performance de fevereiro de 2019”.

Segundo Mariana Rosa, Head of Office & Logistics Agency & Transaction Manager da JLL, “o Porto é um destino de escolha para cada vez mais empresas multinacionais e com uma oferta que está a qualificar-se bastante”. “É um mercado com um enorme potencial de crescimento (...). Quanto aos níveis de atividade de 2020, à semelhança do que é a tendência em Lisboa, poderiam estar muito mais robustos se houvesse capacidade de resposta do lado da oferta”, acrescentou.